Rede dos Conselhos de Medicina
Selecione o Conselho que deseja acessar:
No Dia Mundial do AVC, CFM pede "choque de gestão e eficácia" para melhorar atendimento na área Imprimir E-mail
Sex, 27 de Outubro de 2017 12:52

O Conselho Federal de Medicina (CFM) se uniu a diversas organizações brasileiras e mundiais em um apelo global por ações urgentes para prevenir Acidentes Vasculares Cerebrais, que vitimam aproximadamente 17 milhões de pessoas por ano no mundo (posicionando esta como a segunda maior causa de morte do planeta).

O chamado à ação marca o Dia Mundial do AVC, celebrado no domingo 29 de outubro, e que nesta edição destaca a importância da prevenção. De acordo com o professor Werner Hacke, presidente da World Stroke Organization, "90% dos acidentes vasculares cerebrais estão associados a apenas 10 fatores de risco, como hipertensão, obesidade, diabetes e tabagismo, sobre os quais todos podemos fazer algo" (veja o quadro abaixo).

Para o médico neurologista e conselheiro do CFM, Hideraldo Cabeça, também é importante lembrar a importância de um atendimento eficiente, que evite danos do tecido cerebral, sequelas e óbitos. “Infelizmente, os pacientes brasileiros que sobrevivem do caos de atendimento verificado no nosso País, em regra, apresentam grave sequela motora e funcional, afetando suas atividades de vida diária. A reabilitação apresenta um número ainda menor de vagas, dificultado o retorno do paciente às suas atividades habituais”, avalia.

Números – Este ano, o CFM publicou uma pesquisa que avaliou o atendimento de pacientes com AVC em todo o Brasil, segundo a percepção de neurologistas e neurocirurgiões. O estudo apontou que cerca de 76% dos hospitais não apresentam condições de atender o AVC no Brasil. Por isso, de acordo com Cabeça, o número de óbitos ainda é muito elevado no Brasil. "A reversão desses dados passa por um choque de gestão e eficácia. O problema é muito grave, e ao se afastar das grandes capitais, aumenta de forma exponencial", diz.

A pesquisa do CFM demonstrou ainda que apenas 3% dos hospitais prestam atendimento padrão. O maior problema é de infraestrutura. Não há leito suficiente (em 85% dos hospitais) para atendimento do AVC, existe uma superlotação dos hospitais, a equipe médica trabalha sob constante pressão, assim como enfermeiros, técnicos e agentes administrativos. Não há tomógrafo em quase a metade dos hospitais. Falta vaga de UTI e falta a medicação que trata a fase aguda do AVC isquêmico (representa 80% dos AVCs), que é o trombolítico.

Campanha permanente – O CFM tem assumido papel importante de denunciar e de apontar soluções. Nesse sentido, mantém uma campanha permanente de prevenção ao AVC, por meio de um site com informações sobre a doença, validadas por especialistas do assunto. O objetivo da campanha é orientar sobre sintomas, prevenção e como agir em caso de AVC. Acesse o site em:  http://www.avc.cfm.org.br/

A autarquia destaca ainda que, no que tange o AVC, o controle dos fatores de risco evitáveis são de suma importância, tais como: controle do peso corporal, controle do diabetes e da hipertensão arterial, controle das taxas de colesterol e triglicerídeos, abandono do sedentarismo, abandono do hábito de fumar e beber.

“O CFM está em luta constante para o fortalecimento da rede básica de saúde, pois o trabalho da ponta, no bairro, proporciona benefício fundamental para que o Brasil vire esta dramática situação. A educação da população, políticas públicas de inclusão social, de saneamento básico traz impacto nas taxas de morbimortalidade das doenças cardiocirculatórias”, destaca Hideraldo Cabeça.

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

© PORTAL MÉDICO 2010 - o site do Conselho Federal de Medicina -Todos os direitos reservados
SGAS 915 Lote 72 | CEP: 70390-150 | Brasí­lia-DF | FONE: (61) 3445 5900 | FAX: (61) 3346 0231| E-mail: cfm@portalmedico.org.br | CNPJ: 33.583.550/0001-30