Rede dos Conselhos de Medicina
Selecione o Conselho que deseja acessar:
Encontro Latino-Americano: Dilemas éticos sobre o fim da vida são debatidos no Rio Imprimir E-mail
Seg, 20 de Março de 2017 11:36

 

foto-rj-materia 1 

Os dilemas éticos relativos ao fim da vida foram tema do Encontro Latino-Americano promovido no Rio de Janeiro pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), Associação Médica Brasileira (AMB), Associação Médica Mundial (WMA) e Confederação Médica Latino-Ibero-Americana e do Caribe (Confemel). Uma ampla discussão sobre a ética no fim da vida reuniu expoentes tanto da área médica, quanto jurídica e acadêmica durante os dias 17 e 18.

Compondo a mesa de abertura presidida pelo conselheiro federal e presidente da Confemel, Jeancarlo Cavalcante, o presidente do CFM, Carlos Vital, ressaltou que "os avanços técnico-científicos nos desafiam cada vez mais à manutenção do bom senso, evitando-se, por exemplo, a distanásia, o prolongamento desse processo sem razão de ser com mecanizações da vida para além da vida".

Trazendo à tona temas como a eutanásia e o suicídio assistido por médicos, o presidente da Comissão de Assuntos Socio-Médicos da WMA e diretor da AMB, Miguel Roberto Jorge, apresentou políticas defendidas pela associação mundial e expressas em documentos como a Declaração de Lisboa (1981, 1995), que aborda a autonomia do paciente. Jorge destacou que a eutanásia e o suicídio assistido são procedimentos rejeitados pela WMA, mas defendidos por entidades médicas internacionais de países como Holanda e Bélgica.

Ética - Aspectos morais e éticos sobre o processo de morrer foram levantados por dom Antônio Augusto Duarte, médico, pesquisador e bispo no Rio de Janeiro. Indicado pelo Vaticano para falar sobre o tema, dom Augusto ressaltou que "não é apenas uma questão de princípios, (a morte) envolve a dignidade e a humanidade do paciente. A ética deve ser a arte de viver e não um código de regras e proibições. Não é apenas um ato: distanásia ou eutanásia, por exemplo".

Destacando a brevidade da vida, dom Antônio ressaltou: "o ser humano é um ser eminentemente temporal. A experiência de morrer é rica e o tempo nos dá a dimensão da contemplação da vida, pois temos que olhar para a realidade da doença, realidade do fim da vida não somente com um olhar médico, ético ou jurídico. Temos que ser também contemplativos, é preciso tomar decisões com serenidade, tempo e sem atropelos".

Constituição - Presidindo a mesa, o diretor-secretário do CFM, Henrique Batista e Silva, convidou o jurista, magistrado e poeta Carlos Ayres Britto para expor o tema Aspectos Jurídicos e Sociais relativos à Atenção ao Fim da Vida. Elencando também assuntos como suicídio assistido, eutanásia, distanásia e mistanásia, Ayres Britto ressaltou: "são temas de difícil equacionamento, pelo menos juridicamente. Eu sou constitucionalista e tenho a tendência de buscar o equacionamento deles na Constituição".

Britto levantou pontos como o princípio da dignidade da pessoa humana, "que é chamado fundamental, pois lastreia a vida" e ponderou que a constituição garante o direito à vida em condições de bem-estar como, por exemplo, liberdade, segurança, propriedade, igualdade. "O discurso da constituição é sobre a dignidade da pessoa humana, é desse tipo de vida humana que versa a Constituição Federal".

Abordando tópicos da legislação brasileira que tratam da eutanásia, que é considerada homicídio, e do induzimento, instigação ou auxílio a suicídio, questionou: "será que o Código Penal, da década de 40, está compatível com a Constituição, que é de 1988? Eu não vou responder, estou lhes perguntando". E seguiu: "O ser humano é irrepetível, a natureza é o mais original dos artistas e tudo deve ser feito para assegurar a permanência dos seres humanos aqui. Minha tentativa de ser útil é provocando, lançando perguntas. A decisão sobre o futuro da eutanásia no Brasil, por exemplo, depende muito mais de fóruns de debate como este aqui do que de juristas".

Tratando de normas instituídas pelo Conselho Federal de Medicina, o conferencista completou: "de onde o CFM tirou competência para dispor sobre esses temas, como distanásia e eutanásia? Da Constituição. E eu não pretendo trazer conclusões, o tema demanda estudos ainda mais alongados".

O presidente do CFM, Carlos Vital, também ressaltou que "esta é uma discussão que está em pauta no mundo inteiro e, certamente, a Associação Médica Mundial irá se manifestar. Temos aqui uma oportunidade ímpar de discutirmos, com base em nossas raízes culturais e realidades sociais, as posturas que os nossos povos latino-americanos precisam observar para se posicionar. O ético desempenho da medicina é o desempenho da cidadania em tempo integral no mais elevado patamar da consciência".

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

© PORTAL MÉDICO 2010 - o site do Conselho Federal de Medicina -Todos os direitos reservados
SGAS 915 Lote 72 | CEP: 70390-150 | Brasí­lia-DF | FONE: (61) 3445 5900 | FAX: (61) 3346 0231| E-mail: cfm@portalmedico.org.br

FECHAR X