Rede dos Conselhos de Medicina
Selecione o Conselho que deseja acessar:
O Governo e os “médicos” estrangeiros: não se faz boa saúde com falácias Imprimir E-mail
Sex, 17 de Maio de 2013 17:58

 

* Escrito por Roberto Luiz d’Avila

 

A “importação” de médicos estrangeiros e de brasileiros portadores de diplomas de Medicina obtidos no exterior esconde os reais motivos da falta de assistência nos munícipios do interior e nas periferias das grandes cidades.  Aliás, ouso dizer que interessa a setores do Governo colocar toda sua energia nesse embate, como se estivesse em jogo a solução final dos problemas do Sistema Único de Saúde (SUS).

Querem fazer crer que tudo seria resolvido num passe de mágica. Mas nem o grande Houdini – o maior ilusionista de todos os tempos – daria conta do que quer o Governo. A lógica é simples: instalam-se médicos (estrangeiros ou nativos) em áreas de difícil provimento e – abracadabra! – a população passa a ter a assistência dos seus sonhos.

No entanto, é fácil prever o fracasso desse estratagema. A assistência de qualidade não faz apenas com médicos com um estetoscópio no pescoço. É preciso investimento em infraestrutura, equipamentos, insumos, apoio de equipes multidisciplinares e profissionais estimulados por políticas que reconheçam seu valor e sua essencialidade dentro de um modelo de atenção, que mingua devido à incompetência gerencial.

Os defensores da importação dos médicos estrangeiros adoram comparar a razão brasileira de médicos por habitante (atualmente na casa de 2/1000) com os números de outros países. Dizem que precisamos atingir os indicadores da Suécia (3,73), França (3,28), Alemanha (3,64), Espanha (3,71), Reino Unido (2,64) e Argentina (3,16).

É estratégico esquecerem-se de mencionar que o Governo dessas Nações (com sistemas de saúde semelhantes ao SUS) investem mais do que o Brasil. Na Inglaterra, a participação do Estado no gasto nacional em saúde chega a 84%. Na Suécia, França, Alemanha e Espanha, oscila de 74% a 81%. Nos vizinhos argentinos, este percentual é de 66%. No Brasil, fica em 44%.  Os números falam por si e nem vou me aprofundar no que representam em termos de qualificação dos serviços disponíveis para os cidadãos.

Outro ponto que o Governo distorce em sua argumentação diz respeito à forma de acesso de médicos estrangeiros ao mercado de trabalho em outros países. É verdade que eles representam segmento importante dentre os profissionais do Canadá e da Inglaterra, por exemplo. No entanto, ao contrário do que o Ministério da Saúde diz, ninguém desembarca e sai atendendo pacientes logo de cara.

Nestes países, e na maioria das Nações sérias, os médicos com diplomas obtidos no exterior só podem clinicar – em qualquer nível de assistência – após passarem por criteriosos processos para avaliar suas competências. Enquanto não é aprovado, ninguém vai para hospitais treinar sua falta de conhecimentos na pele e nos ossos dos nativos de plantão. No Brasil, espera-se a mesma cautela.

Diferentemente do que tem sido dito, a grita das entidades médicas não tem nada de corporativista ou xenófoba. Serão benvindos todos os médicos e brasileiros formados em outros países, desde que provem em exames do nível do atual Revalida (criado pelo próprio Governo, em 2010) que dão conta do recado.

No Brasil, não há meio médico. Quem faz Medicina tem que resolver os desafios em todos os níveis de complexidade: de uma diarreia a um procedimento de emergência. Trazer médicos que vão apenas fazer consultas em postos de saúde é, no mínimo, um paliativo. E o que acontece se num desses rincões o Seu João tiver uma crise aguda de apendicite? O prefeito e o médico do posto o colocarão numa ambulância rumo ao munícipio vizinho?

Esse embuste tem nome: pseudoassistência. E quem concorda em fazer parte dessa armação é um pseudomédico. Não enxergo uma nesga de arrogância nessa constatação. Aliás, me parecem portar o gene desse sentimento aqueles que tentam ludibriar os incautos transformando falácias em saúde de qualidade.

 

* presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM)

 

 

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).

* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail  Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. , acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

 

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

© PORTAL MÉDICO 2010 - o site do Conselho Federal de Medicina -Todos os direitos reservados
SGAS 915 Lote 72 | CEP: 70390-150 | Brasí­lia-DF | FONE: (61) 3445 5900 | FAX: (61) 3346 0231| E-mail: cfm@portalmedico.org.br

FECHAR X