A diretora do CBO, Maria Auxiliadora Frazão, e os conselheiros Alcindo federais Cerci e Alceu Pimentel analisaram casos de pacientes que tiveram complicações no estado de saúde após serem atendidos por não médicos

 

Representantes de quatro especialidades médicas – cirurgia plástica, oftalmologia, ginecologia e perícia médica – alertaram para o risco que a população corre ao se consultar e se submeter a procedimentos por profissionais não médicos. Foi durante o I Fórum sobre Ato Médico, promovido pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), realizado em 22 de março, em Brasília (DF). O encontro destacou a importância de se trabalhar pela segurança do paciente diante das invasões competências exclusivas da medicina previstas na Lei nº 12.842/13.

Vagner Carvalho Rocha, indicado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), listou uma série de erros e consequências de procedimentos e cirurgias estéticas realizadas por profissionais de outras áreas. Por sua vez, Maria Auxiliadora Monteiro Frazão, secretária geral do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO),

Os conselheiros federais Maria Teresa Renó e Raphael Câmara abordaram também as ações que têm sido promovidas para combater o crime no País

trouxe exemplos de pacientes que tiveram complicações na visão após atendimento com optometristas.

Segurança – Já o conselheiro federal Alceu Pimentel tratou da invasão do ato médico na ginecologia e obstetrícia, destacando os problemas decorrentes da implantação de DIU e da interferência das doulas nos partos. “No total, mais de uma dezena de atividades ficaram resguardadas expressamente pela lei. Mas, regularmente o CFM tem precisado ir à justiça para garantir a segurança da categoria e dos pacientes”, disse.

Na sequência, o conselheiro federal Alcindo Cerci Neto apontou as atividades da perícia médica que têm sido comprometidas pela ação de outras categorias da saúde. Segundo ressaltou, “temos que proteger o ato médico pericial pois, sem nenhuma dúvida, se ele for prejudicado, essa invasão vai escalonar em todas as outras áreas da medicina”.

Prejuízos – Os debates foram coordenados pelos conselheiros federais Maria Teresa Renó, coordenadora da Câmara Técnica de Oftalmologia do CFM, e Raphael Câmara, membro da Câmara Técnica de Reprodução Assistida e das Comissões de Ensino Médico e de Humanidades Médicas do CFM. Nas exposições, além dos exemplos de prejuízos que a ação de outras categorias tem causado para a população, os representantes das entidades também destacaram as ações que têm sido promovidas para combater essa situação.

Entre as iniciativas relatadas estão recursos impetrados junto ao Poder Judiciário e ao Ministério Público, assim como à Vigilância Sanitária. Para esse esforço, as entidades têm buscado subsidiar seu trabalho em leis e normas vigentes que têm sido, sucessivamente, desrespeitadas por outras categorias. Na busca da conscientização sobre o tema, as sociedades também têm se amparado em campanhas voltadas aos pacientes e na divulgação dos abusos por meio da imprensa.

 

Notícias Relacionadas

Brasil registra dois crimes de exercício ilegal da medicina por dia, aponta levantamento do CFM

22 mar 2024

Palestras abordam fatores de exposição de pacientes ao risco de lesões e de morte por atendimento com não médicos

22 mar 2024

Estudo mostra que dezenas de projetos em tramitação no Congresso Nacional ameaçam competências exclusivas da medicina

22 mar 2024

Fórum do CFM aprova propostas para defender a segurança do paciente contra o exercício ilegal da medicina

23 mar 2024

Presidente do CFM conclama sociedade a lutar contra o exercício ilegal da medicina no País

25 mar 2024
Flickr Youtube Twitter LinkedIn Instagram Facebook
Освежите свой азарт с казино Вавада! Перейдите на зеркало официального сайта Вавада. Здесь вы найдете уникальные игры и выгодные бонусы, которые увеличат ваш шанс на большие выигрыши.
namoro no brasil
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.