A secretária-geral do Conselho, Dilza Teresinha Ribeiro (ao centro), falou sobre o que o CFM tem feito para garantir o atendimento médico nas regiões fronteiriças do PaísNa manhã de quinta-feira (10), o V Fórum de Pediatria do Conselho Federal de Medicina (CFM), realizado durante o 39º Congresso Brasileiro de Pediatria (CBP), em Porto Alegre (RS), trouxe para o centro dos debates o tema “Saúde da criança indígena”. Moderada pela pediatra e secretária-geral do CFM, Dilza Teresinha Ambros Ribeiro, a primeira mesa-redonda contou com a participação de vários especialistas da área, que apresentaram um panorama da assistência à saúde fornecida pelo poder público aos diferentes povos e etnias.

“O CFM tem atuado com intensidade para garantir a presença dos médicos nas regiões de fronteira e no interior profundo do Brasil, como na floresta amazônica. No geral, essas localidades de difícil acesso não contam nem com a infraestrutura básica. Por isso, o Conselho – em parceria com o Exército Brasileiro e outras instituições da sociedade civil – está empenhado em suprir esse desafio, especialmente na questão indígena, uma vez que essa parcela da população, sobretudo a infanto-juvenil, também tem direito de acesso a diagnósticos e tratamentos”, pontuou a Dilza.

Introduzindo a discussão, o professor do curso de Medicina da Universidade Federal do Acre (UFAC), Plateia mostrou interesse no atendimento que é prestado às crianças indígenasRodrigo Pinheiro Silveira, enfatizou o expressivo número de indígenas distribuídos por todos os estados do País – aproximadamente 800 mil – e apresentou as especificidades relacionadas à organização dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI), âmbito em que ocorrem os atendimentos na Atenção Primária.

Na oportunidade, o médico também indicou a necessidade de um sistema de atenção diferenciado para assistir o paciente indígena. Entre os tópicos essenciais que devem fazer parte desse processo, segundo ele, estão a inclusão de representações, valores e práticas da cultura indígena nas condutas do atendimento; além da participação de um agente de saúde indígena no trabalho.

Na sequência, a também professora de Medicina da UFAC, Fernanda Lage Lima Dantas, abordou alguns dos desafios relacionados à assistência às crianças indígenas. Conforme alertou, atualmente a taxa de mortalidade infantil nessa população é três vezes maior que a taxa nacional. Para a especialista, temas básicos como vacinação, aleitamento materno e infecções parasitárias precisam ser melhor trabalhados, sob uma perspectiva intercultural, com respeito às particularidades de cada etnia e ao contexto ambiental.

“Muitas vezes, as equipes de saúde realizam o acolhimento do paciente a partir da perspectiva da civilização ocidental. É preciso fomentar iniciativas que transformem os hospitais e unidades de saúde em locais onde seja respeitado o modo de vida deles, para que não haja resistência aos processos de cuidado da medicina tradicional”, explicou.

Drogas lícitas e ilícitas – Na ocasião, ocorreu ainda o colóquio “Crianças e adolescentes usuários de drogas”, conduzido pelo membro da Comissão para Controle de Drogas Lícitas e Ilícitas do CFM, João Paulo Becker Lotufo, que alertou para a diminuição da percepção dos riscos do uso de drogas e apresentou trabalhos científicos sobre a experimentação de drogas na faixa etária escolar.

“O uso precoce dessas substâncias tem efeitos prejudiciais comprovados no desenvolvimento do indivíduo, com lesões permanentes inclusive na memória. Além disso, a utilização também é responsável por outros malefícios sociais, com influência significativa para a elevação da evasão escolar e gravidez precoce”, explicou.

O especialista também ressaltou os riscos dos dispositivos eletrônicos para fumar – vaporizadores, cigarros eletrônicos e outros. Segundo ele, os artefatos são potencialmente perigosos, uma vez que são percebidos como atrativos aos não fumantes, em especial para os adolescentes e jovens.

“A indústria tabagista apresenta esses dispositivos como uma ferramenta de redução de danos. No geral, estes dispositivos utilizam uma alta concentração de nicotina. Nos Estados Unidos, uma epidemia de dependentes – mais grave entre a população universitária – foi deflagrada nos últimos anos e levou alguns estados americanos a suspenderem a comercialização desse produto. Os médicos brasileiros devem estar atentos e investir alguns minutos da consulta para orientar seus pacientes sobre todos esses problemas relacionados ao uso das drogas”, concluiu.

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.