As novas regras para a reprodução assistida já podem ser seguidas pelos médicos brasileiros. Foi publicado no Diário Oficial da União de hoje (10) a Resolução 2.168/17, que revoga o dispositivo anterior e atualiza as normas. Agora, os pacientes ganham a possibilidade de planejar o aumento da família, segundo um calendário pessoal, levando em conta projetos de trabalho ou de estudos, por exemplo. Também são beneficiados pacientes que, por conta de tratamentos ou desenvolvimento de doenças, poderão vir a ter um quadro de infertilidade. O novo texto pode ser acessado aqui.

A Resolução 2.168/17 também amplia o número de parentes que podem ceder o útero para uma gravidez. Nas regras anteriores, somente familiares ascendentes, como avó, mãe e tia, poderiam receber o óvulo da doadora. Com atualização das normas, filhas e sobrinhas, ou seja, descendentes, também foram incluídas no rol de parentesco e podem ceder o útero para gestação.

Leia também:

CFM anuncia novas regras para o uso de técnicas de fertilização e inseminação no país

Resolução beneficia planejamento familiar e pacientes com doenças graves

 Dados mostram avanço no uso de técnicas de fertilização in vitro no Brasil

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.