Temas como regras de auditoria determinadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), a implementação do Sistema de Acreditação de Escolas Médicas (Saeme-CFM) e os avanços na articulação política dos conselhos de medicina junto ao Congresso Nacional foram abordados no primeiro dia do II Encontro Nacional de Conselhos de Medicina 2022, que acontece em Porto Velho (RO). Diante de uma plateia de lideranças do CFM e dos CRMs, convidados especiais ajudaram a esclarecer diferentes aspectos sobre cada um desses e de outros tópicos. O evento transcorre os dias 8 e 9 de setembro.

A avaliação e certificação de escolas médicas por meio do Saeme-CFM foi o tema da apresentação dos professores Milton Arruda e Patrícia Tempski, que explicaram aos participantes o potencial desse projeto para estimular a qualificação do ensino de medicina no País. “No geral, as escolas avaliadas até o momento apresentam boa estrutura, mas precisam dar mais atenção à preparação dos seus professores e cuidar melhor dos alunos, que contam com poucas tutorias e sofrem com sobrecarga de aulas teóricas” afirmou Arruda. Acesse a apresentação aqui.

Publicidade – Na sequência, o 3º vice-presidente e diretor de Fiscalização do CFM, Emmanuel Cavalcante, apresentou aos participantes o processo em curso para a atualização da Resolução 1.974/2011, que define as regras para publicidade e propaganda médicas. “Estamos tomando todas as medidas para que as alterações acompanhem a modernidade, mas mantenham os princípios basilares da ética médica”, afirmou. Acesse, aqui, a apresentação.

Também houve espaço na programação para abordagem de questões administrativas e estratégicas para o sistema CFM/CRMs. Os dirigentes assistiram a apresentação de Aldo Cunha, responsável pelo Setor de Auditoria do CFM, que trouxe detalhes sobre exigências que têm sido feitas pelo Tribunal de Contas da União em fiscalizações realizadas junto aos conselhos de medicina. “É um assunto minucioso, que merece toda a nossa atenção”, frisou o tesoureiro do CFM, Mauro Ribeiro. Acesse a apresentação de Aldo Cunha, aqui.

Políticos – Para manter os participantes informados sobre as estratégias para fortalecimento da defesa dos interesses dos médicos juntos aos deputados e senadores, Gabriela Nasser, assessora parlamentar do CFM, fez uma exposição (acesse aqui), onde destacou projetos de interesse e mostrou a relevância das ações de sensibilização dos políticos. O coordenador dessa mesa, Jeancarlo Cavalcanti, 1º vice-presidente do CFM, enfatizou a necessidade de os médicos elegerem parlamentares identificados com a pauta médica. “Quem não gosta de política é governado por quem gosta, por isso é que temos de eleger candidatos que conheçam e defendam a nossa pauta”, argumentou.

Além desses tópicos, os participantes do II ENCM acompanharam uma palestra sobre o funcionamento do Hospital de Amor Amazônia, que faz parte da mesma rede do Hospital do Câncer de Barretos, referência mundial no tratamento oncológico. “Foi um desafio montarmos um hospital tão distante, mas o resultado tem sido extremamente gratificante”, enalteceu Jean Negreiros, diretor executivo da Fundação Pio XII, mantenedora da instituição. Na apresentação (acesse aqui), ele foi acompanhado por Carlos Alexandre Ramagen, diretor técnico do serviço.

Leia também:

Com Carta de Porto Velho, participantes assumem compromissos dos conselhos de medicina com o Brasil

Após a pandemia, ENCM 2022 reúne quase 200 lideranças médicas, em Porto Velho

Principais alterações no CPEP são apresentadas no segundo ENCM 2022

 

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.