Juntos, conselheiros e colaboradores identificaram as necessidades e os desafios para o futuro da autarquia

Saber onde se pretende chegar é o primeiro passo para que o futuro comece a se concretizar. Com base nessa premissa, a diretoria do Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou o Planejamento Estratégico Institucional (PEI) 2017-2019, que faz um diagnóstico da situação atual e define as metas a serem alcançadas até o final desta gestão.

“Somos os cumpridores dos compromissos que assumimos, e esse documento vai nos ajudar a transformar nossas intenções em boas práticas”, argumenta o secretário-geral do CFM, Henrique Batista e Silva. A elaboração do PEI contou com a participação dos gestores e das chefias dos setores que, com intermediação de empresa especializada, realizaram várias reuniões para estabelecer metas globais e setorizadas até 2019.

Comissão – Até o final deste período, a Comissão Permanente de Gestão de Projetos (Cogep) vai realizar reuniões bimensais para averiguar se o que foi estabelecido está sendo alcançado. “Caso a Cogep perceba, por exemplo, que alguma área está com dificuldades no gerenciamento e na implantação de suas estratégias, oferecerá o apoio necessário”, explica a coordenadora administrativa do CFM, Érika Jacqueline Ferreira.

O PEI, além de constituir um processo avaliativo, não deixa de ser uma forma de controle, pois será possível quantifi car, ao fi nal do período, se o planejamento foi realizado. Para fazer esse acompanhamento e identificar os gargalos a Cogep realizará reuniões bimensais. Apesar de o PEI ter como escopo apenas o CFM, funcionários da autarquia estão visitando os Conselhos Regionais de Medicina (CRMs) para ajudá-los a realizar e cumprir seus planejamentos estratégicos também.

Progresso – “Nos tempos contemporâneos, cada vez mais as organizações – públicas e privadas – se apropriam do planejamento estratégico para aperfeiçoar seus fluxos internos. O objetivo é desenvolver uma gestão competente, racional e visionária, capaz de orientar a instituição para que esta possa reconhecer oportunidades e promover progresso”, afirmou o presidente do CFM, Carlos Vital, que participou ativamente da elaboração do PEI.

Para ele e para o secretário-geral, Henrique Batista, o planejamento estratégico pode ser comparado à organização de um mapa de viagem. “A partir do momento em que é escolhido o destino final, organiza-se o itinerário levando-se em conta fatores como as rotas mais adequadas, os recursos necessários (humanos e materiais) para percorrê-las, os eventuais percalços da jornada e até mesmo as chances que possam surgir para um percurso mais seguro ao alcance dos objetivos determinados”, ressaltam ambos no texto de apresentação do documento.

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.