Primeira mesa do Fórum de Médico Jovem debateu desafios da medicina
Após a abertura, a primeira atividade do 3° Fórum Nacional de Integração do Médico Jovem foi o “1st International Young Doctors Forum”, que debateu os desafios da medicina no mundo. O primeiro palestrante foi o representante da Comunidade Médica de Língua Portuguesa, José Francisco Pavão, que falou sobre “Saúde global e diplomacia na saúde”. Em sua fala, o português defendeu o fortalecimento da saúde pública para que “possamos atingir a equidade, igualdade e justiça social em todos os países”. Acesse, aqui, a apresentação.

Em seguida, o conselheiro federal e ex-presidente da Confemel, Jeancarlo Cavalcanti, discorreu sobre as consequências das migrações humanas, especificamente sobre a entrada recente de haitianos e venezuelanos no Brasil. “A imigração é um problema e uma solução. P país emissor perde mão-de-obra qualificada. Quem recebe, dependendo do volume, pode enfrentar situações de colapso, como a encontrada hoje em Roraima. Por outro lado, a imigração pode ser uma solução para os problemas da Europa, que sofre com o envelhecimento da sua população”, raciocinou. Acesse aqui a apresentação.

A definição de quem é o médico jovem foi apresentada pelo membro da Comissão de Integração do Médico Jovem Nívio Lemos Moreira Júnior, que fez uma apresentação sobre a participação do médico de até 40 anos no cenário global. “Dentro da Associação Médica Mundial (WMA), começamos a nos organizar em 2007 e criamos nossa associação m 2011, no Uruguai. Essa união é muito importante, pois conseguimos nos fortalecer. Em conversa com colegas colombianos, por exemplo, descobrimos que organizacionalmente estamos mais avançados do que eles, que só recentemente passaram a ser remunerados pela participação em residência médica. Aqui, a nossa luta é por uma remuneração melhor”, contou. A apresentação pode ser acessada aqui.

O conselheiro regional do Conselho Regional de Medicina de São Paulo e diretor da Associação Médica Mundial (WMA), Miguel Roberto Jorge, responsável pela palestra “O que está mudando na medicina no cenário global”, apresentou diversas pesquisas sobre os avanços e desafios da medicina. “De 1960 até hoje, tivemos diversos avanços, como o aprimoramento dos antibióticos, descobertas de novas vacinas e avanços na medicina por imagens, na terapia intensiva e nos transplantes. Mas, apesar desses avanços, não eliminamos nossos problemas e eles nunca serão eliminados”, afirmou. Entre os desafios da medicina estão a obesidade, a resistência aos antibióticos, o envelhecimento da população e o consequente aumento das doenças demenciais, a implantação de programas de bem-estar funcionais, a prevenção de doenças e a forma de manejar as doenças crônicas, entre outros. Acesse a apresentação aqui.

Ao final das discussões, a coordenadora da mesa redonda, conselheira federal Dilza Ribeiro, elogiou os temas abordados. “Formei e fiz residência no Rio Grande do Sul e depois fui trabalhar no Acre. Nas apresentações realizadas aqui, fiquei feliz em ver a preocupação com esses médicos que se destinam a atuar em áreas distantes, geralmente do exército. Todos somos médicos, não importando o local de trabalho, e esse sentimento deve ser incentivado”, concluiu.

Foto – Assessoria do Cremesp

Leia também

Carta de São Paulo reivindica mudanças curriculares

Médicos debatem avanços e desafios no uso da tecnologia na medicina

Mesa redonda debate a saúde do médico jovem

Residência Médica deve ser aperfeiçoada, defendem especialistas

Cinco anos do Mais Médicos é tema de mesa redonda

Fórum Nacional de Integração do Médico Jovem debate inserção no mercado de trabalho

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.