O Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Médica Brasileira (AMB) divulgaram nota à sociedade nesta sexta-feira, 30 de junho, na qual aborda os comentários feitos por gestores a respeito dos profissionais de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS). No documento, as entidades afirmam ser “completamente inadequada a emissão de comentários pejorativos e distantes da realidade a respeito dos profissionais da saúde”.
 
Na nota, o CFM e a AMB reiteram seu compromisso com o SUS e conclamam a todos que comungam do mesmo ideal a somarem esforços evitando contendas ou divisões, “as quais somente afastam o País da oferta de uma saúde pública de qualidade para todos”.
 
 
NOTA À SOCIEDADE
Diante da necessidade premente de união construtiva de esforços em torno de um objetivo comum, a superação dos inúmeros problemas que afetam o Sistema Único de Saúde (SUS), é completamente inadequada a emissão de comentários pejorativos e distantes da realidade a respeito dos profissionais da saúde.
 
Fato é que frequentemente pacientes, médicos e demais profissionais da saúde são constrangidos por comentários feitos por gestores, inclusive do ministro Ricardo Barros, que distorcem as dificuldades enfrentadas pelo SUS. A tentativa de transferir para as categorias da área da saúde, em especial os médicos, a culpa pela grave crise que afeta a rede pública não exime o Estado de suas responsabilidades ou afasta a compreensão da falta da indispensável atenção administrativa.
 
Apenas o trabalho articulado de gestores e de todos os setores envolvidos com essa crise, o que inclui os médicos e os demais profissionais da área, assim como a sociedade em geral, ajudará a trazer as respostas esperadas pelos brasileiros, em especial os 150 milhões que dependem exclusivamente do SUS.
 
Assim, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Médica Brasileira (AMB) reiteram seu compromisso com o SUS e conclamam a todos que comungam do mesmo ideal, inclusive os gestores – nas esferas municipal, estadual e federal – a somarem esforços evitando contendas ou divisões, as quais somente afastam o País da oferta de uma saúde pública de qualidade para todos.
 
Brasília, 30 de junho de 2017.
 
CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA
ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA
 
 
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.