Painel apresentado pelo conselheiro Jeancarlo Cavalcante tratou sobre terminalidade da vida

A terminalidade da vida e a jurisprudência estrangeira foi tema do painel do VIII Congresso Brasileiro de Direito Médico sob moderação de Jeancarlo Cavalcante, membro do Conselho Federal de Medicina (CFM). Suicídio assistido, eutanásia, ortotanásia, a atuação do Estado, o poder familiar e o papel do sistema médico formador foram temas abordados pelos palestrantes a partir de casos concretos internacionais.

“O paciente é cada vez menos tratado como um ser humano, se tornando somente um caso clínico. Existem dados robustos que demonstram insatisfatória formação dos médicos sobre o fim da vida. O aparelho é, em algumas circunstâncias, deformador. Mas, como pedir para um egresso ter determinada conduta se ele não aprendeu como faze-la?”, indagou o médico José Eduardo Siqueira – professor titular da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR).

Segundo ele, pesquisas indicam que mais de 50% dos acadêmicos não são ensinados sobre como comunicar o óbito aos familiares. “A universidade trabalha o positivismo tanto na área medica quanto na jurídica. Mas, formam profissionais que não tem habilidades de ser e de conviver. Temos que olhar o ser que sofre e nos curvar”, alertou Siqueira – que também falou sobre eutanásia e o caso Nancy Beth Cruzan, que tramitou na Suprema Corte dos Estados Unidos (EUA) quando, em 1983, Cruzan teve um dano cerebral grave devido a um acidente de carro.  

 “Vejo, no Pronto Socorro, pessoas morrendo de dor literalmente. A morte é vista como um processo distante das nossas vidas e desconsideramos esse processo, seja não comunicando adequadamente a família em casos de terminalidade ou pela incapacidade de conversar com o paciente. Tudo isso inviabiliza a possiblidade de uma morte digna”, alertou a enfermeira Silvana Bastos Cogo, da Universidade Federal de Santa Maria (RS).
 
Silvana Cogo citou ainda o caso alemão do advogado Wolfgang Putz, que foi condenado por tentativa de homicídio em 2007 após orientar sua cliente a interromper a alimentação artificial da mãe (sra. K), que estava há cinco anos em estado vegetativo. A mais alta corte criminal da Alemanha, no entanto, emitiu decisão considerada histórica ao absolver Putz por reconhecimento do direito de autodeterminação. Em 2009, o Parlamento alemão aprovou lei que regulamenta o testamento vital.

Também expositora do painel, a advogada Luciana Dadalto destacou o caso que alimentou o debate na Suprema Corte da Índia sobre eutanásia e diretivas antecipadas de vontade: Aruna Shanbaug, uma enfermeira que, após sofrer grave agressão física e sexual em 1973, ficou 42 anos em estado vegetativo. “Quando o paciente não tem substituto designado nem familiares, a equipe de saúde é responsável pela suspensão ou manutenção de terapias em caso similares. Esse é o entendimento da Suprema Corte indiana. Isso mostra que morte digna não pode ser um conceito imposto pelo Estado, deve ser construído individualmente conforme a vontade daquela pessoa”.

O poder familiar e a morte digna dos filhos foram abordados pela professora Heloisa Helena Barboza, titular da Faculdade de Direito da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Ela fez reflexões sobre qual o limite dos pais, destacando que estes tem autoridade parental – devendo ser exercida em benefício do filho. A professora abordou o assunto a partir do caso de Charlie Gard – bebê britânico que faleceu, aos 11 meses de idade, em 2017 após disputa de repercussão mundial entre hospital, pais e médicos – com manifestação até mesmo do governo dos Estados Unidos e do Papa Francisco.

O desembargador Diaulas Ribeiro, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, destacou a atuação do poder judiciário – tendo como exemplo o caso de um advogado sul-africano com 35 anos de profissão. “Diagnosticado, em 2013, com câncer de próstata que evoluiu para metástase já em 2015, solicitou à justiça autorização para realização de suicídio assistido. Tendo saído a permissão após sua morte, houve a perda superveniente do objeto, como ocorreu no Supremo Tribunal Federal, no Brasil, em um caso de anencefalia”.

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.