Para o Conselho Federal de Medicina (CFM), a antecipação da formatura de estudantes de medicina que concluíram, no mínimo, 75% da carga horário do internato “não traz benefícios evidentes para o atendimento”. O posicionamento, contrário ao que estabelece a MP nº 934/2020, está explicitado em nota da autarquia.

A nota pode ser acessada aqui.

“Com relação ao texto da Medida Provisória (MP) nº 934/2020, que permite a antecipação da formatura de estudantes de medicina que concluíram, no mínimo, 75% da carga horária do internato, o Conselho Federal de Medicina (CFM) analisou o tema e deliberou por um posicionamento contra a proposta”, diz a nota.

Na avaliação do CFM, a antecipação das formaturas em medicina traz prejuízos à formação do futuro médico, “que pode perder acesso a importantes conteúdos e vivências na fase final de seu internato”.

O CFM também argumenta que o Ministério da Educação não soube informar quantos alunos poderiam antecipar sua formatura e que não identificou mecanismos que obrigassem os futuros médicos a aderirem ao trabalho contra a covid-19.

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.