O Conselho Federal de Medicina (CFM) e o Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) divulgaram, nesta semana, nota pública conjunta, voltada para a sociedade do Estado, onde reafirmam o compromisso das entidades de fiscalização da categoria com o compromisso com a ética profissional e a defesa dos interesses da sociedade. O material foi veiculado em jornais de grande circulação, de caráter regional, e em comunicado em formato de filme, exibido em intervalos comerciais de emissoras de TV.

Para as entidades, o médico, em seu Código de Ética, assume o compromisso de cumprir seu horário de trabalho, não podendo abandoná-lo sem que haja a presença do substituto, salvo por justo impedimento. Este é um preceito ético que também norteia os julgamentos do Conselho Federal de Medicina (CFM) e dos Conselhos Regionais, que atuam para que os médicos observem fielmente o Código de Ética, sobretudo em relação ao cumprimento das responsabilidades profissionais da categoria.

A reafirmação desse compromisso deontológico se faz necessária num momento em que há uma tentativa de se colocar em lados opostos a classe médica e a sociedade. Para o CFM e o CRM-PB, as acusações acerca da carga horária dos médicos não solucionam os graves problemas da saúde pública e ainda fomentam a discórdia, interferindo de forma negativa na relação médico-paciente.

“O CRM-PB não se opõe à regulamentação das 40 horas semanais dos médicos nas Unidades Básicas de Saúde, mas reafirma que é preciso cautela na convocação da população para fiscalizar a atuação dos médicos, sob o risco de criarmos um clima de desconfiança, onde deveria haver confiança”, argumenta o presidente do CRM-PB, João Medeiros Filho.

 

 

NOTA À SOCIEDADE PARAIBANA

 

O Conselho Regional de Medicina da Paraíba, com fulcro nas atribuições que lhes são conferidas pela Lei 3.268/1957, vem a público prestar os seguintes esclarecimentos:

Compete ao Poder Público nas esferas federal, estadual e municipal a fiscalização rigorosa e indiscriminada do cumprimento da carga horária dos funcionários públicos;

Como órgão fiscalizador do exercício profissional tem atuado para assegurar à sociedade que os médicos inscritos no Estado da Paraíba observem fielmente o Código de Ética Médica, sobretudo, em relação ao cumprimento da responsabilidade profissional;

Todavia, entende que colocar em lados opostos o médico e a sociedade não contribuirá para a solução dos graves problemas de saúde pública, os quais não se devem à atuação de médicos e outros profissionais da saúde. Tal conduta somente fomenta a discórdia e interfere de forma negativa na interação médico-paciente, pilar mestre do ato médico;

Por fim, o Conselho Regional de Medicina da Paraíba reafirma o compromisso de continuar zelando pelo exercício ético da medicina e pelos que a exercem legalmente.

 

Conselho Regional da Paraíba

 

Link para a nota que está sendo exibida para TV Cabo Branco e TV Paraíba:
https://youtu.be/_d6xanzmZmM

 

 

 

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.