O Conselho Federal de Medicina (CFM) encaminhou nesta semana ofício ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, parabenizando o parlamentar pela recente manifestação contrária ao abusivo aumento de 25% na mensalidade dos planos de saúde. Segundo a autarquia, além dos recorrentes excessos contra pacientes – que colocam as operadoras em destaque no ranking de reclamações dos órgãos de defesa do consumidor –, também tem sido abusiva a relação dessas empresas com seus prestadores de serviço, sobretudo os médicos.

“De forma reiterada, a autonomia do trabalho médico e a segurança do paciente não têm sido preservadas da interferência antiética e desrespeitosa das operadoras de planos de saúde”, pontua o documento assinado pelo presidente do CFM, Mauro Ribeiro. Apesar dos aviltantes aumentos das mensalidades, lembra o médico, os números mais recentes do setor mostram a melhora do lucro líquido das empresas decorrente de cancelamentos e adiamentos de procedimentos médicos não urgentes por conta da pandemia.

Segundo levantamento feito pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) com 100 operadoras, a taxa de sinistralidade do setor (razão entre a despesa assistencial e receita angariada com as mensalidades) ficou em 64% em julho deste ano. “Isto reflete a elevada margem de lucro líquido, o qual não tem sido repassado aos prestadores de serviço – embora seja esta a tese apregoada (aumento de honorários médicos) para justificar o aumento dos
custos às famílias”, destacou o representante do CFM.

Ao se colocar à disposição do Congresso Nacional para encontrar meios legais que aprimorem o equilíbrio nas relações dentro do segmento da saúde suplementar, Mauro Ribeiro lembrou que as operadoras de planos de saúde precisam garantir aos seus beneficiários serviços de qualidade e aos médicos e outros prestadores de serviço a justa valorização do trabalho realizado.

Após críticas do presidente da Câmara e cobranças de entidades, a ANS decidiu, em agosto, suspender reajustes de planos de saúde por 120 dias – de setembro a dezembro deste ano. Foram travados os aumentos para todos os tipos de planos, como individuais, familiares, coletivos, empresariais e por adesão, independentemente do número de segurados. Essa foi a primeira vez que a ANS interferiu no reajuste dos planos coletivos com mais de 30 usuários, como contratos empresariais.

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.