O Conselho Federal de Medicina (CFM) defende as mudanças na política de saúde mental do Ministério da Saúde. Em nota aprovada pela Plenária do CFM nesta quinta-feira (10), a autarquia se posiciona em defesa da nova Política de Saúde Mental, votada – em dezembro de 2017 – na Comissão Intergestores Tripartite (CIT) do Sistema Único de Saúde (SUS).

No texto, o CFM defende a melhor medicina aplicada às necessidades da população brasileira. “As medidas de prevenção, tratamento e apoio aos pacientes e suas famílias exigem atendimento qualificado e recursos terapêuticos diversificados. Isso deve ocorrer tanto nos aspectos institucionais, como na construção de uma rede assistencial sólida, com garantia de acesso aos serviços mais adequados à necessidade de cada paciente, quanto na oferta de medicamentos, tecnologias diversas e estratégias de abordagem psicológicas e terapêutico-ocupacionais que possibilitem tratar e reabilitar aqueles que necessitam de assistência”.

Para saber mais, acesse a íntegra da nota do CFM:

 

Nota de esclarecimento

CFM defende as mudanças na política de saúde mental do Ministério da Saúde

 

O Conselho Federal de Medicina (CFM) tem se posicionado, ao longo de sua história, em defesa da melhor medicina aplicada às necessidades da população brasileira. Não foi diferente com a assistência às pessoas com doenças mentais.

As medidas de prevenção, tratamento e apoio aos pacientes e suas famílias exigem atendimento qualificado e recursos terapêuticos diversificados. Isso deve ocorrer tanto nos aspectos institucionais, como na construção de uma rede assistencial sólida, com garantia de acesso aos serviços mais adequados à necessidade de cada paciente, quanto na oferta de medicamentos, tecnologias diversas e estratégias de abordagem psicológicas e terapêutico-ocupacionais que possibilitem tratar e reabilitar aqueles que necessitam de assistência.

Com essa disposição o CFM tem trabalhado em estreita cooperação com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e outras instituições. Nos últimos anos, tem contribuído com sugestões de normas e ações para que o Ministério da Saúde aprimore as políticas públicas de saúde mental, beneficiando todos os brasileiros que buscam tratamento especializado na área.

Diante desses esclarecimentos, o Conselho Federal de Medicina se posiciona em defesa da nova Política de Saúde Mental, votada na Comissão Intergestores Tripartite (CIT) do Sistema Único de Saúde (SUS) e publicada em dezembro de 2017 por meio da Resolução nº 32/2017 e da Portaria MS nº 3588/2017, que precisa ser colocada em prática.

Por tratar-se de indiscutível avanço regulatório que prevê, por exemplo, presença obrigatória de médicos psiquiatras em serviços especializados, o que traz mais segurança e efetividade ao atendimento aos pacientes, o CFM ressalta que não está em análise, no âmbito do Grupo de Trabalho responsável pelo acompanhamento dessa Política, qualquer proposta que permita retrocessos na assistência aos pacientes e familiares.

As inverdades expostas em forma de mensagens nas mídias sociais depõem contra a seriedade dos que as divulgam. Contra tal situação, nos insurgimos desmentindo publicamente tais argumentos.

 

Brasília, 10 de dezembro de 2020.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

 

 

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.