“A pandemia trouxe uma grande ruptura na rotina, na educação e na recreação das crianças. Até mesmo a queda da renda das famílias repercutiu na saúde mental dos pequenos, o que nos trouxe a essa importante discussão”. Assim foi aberta a primeira mesa do II Fórum Virtual de Pediatria do Conselho Federal de Medicina (CFM), pela secretária-geral da autarquia e membro da Câmara Técnica sobre o tema, Dilza Terezinha Ambrós Ribeiro.

Secretária-Geral do CFM, a pediatra Dilza Ambrós Ribeiro, destacou as repercussões da pandemia na saúde mental das crianças

Secretária-Geral do CFM, a pediatra Dilza Ambrós Ribeiro destacou as repercussões da pandemia na saúde mental das crianças

Estima-se que 1 em cada 5 pessoas no mundo terá algum transtorno mental ao longo da vida. Além disso, 50% dos distúrbios mentais aparecem antes dos 14 anos e 75% antes dos 24 anos. As conclusões foram apresentadas pelo psiquiatra e psicólogo Rodrigo Bressan, que abordou os impactos no desenvolvimento cognitivo da criança e do adolescente pela pandemia de Covid-19.

Segundo ele, quase 80% das crianças e jovens que apresentam algum tipo de distúrbio ou problema de saúde mental não faz o devido acompanhamento. “O principal motivo, infelizmente, é o preconceito dos próprios pais, por falta de conhecimento sobre o assunto”, disse.

Outro estudo apresentado, desta vez pelo psiquiatra Guilherme Polanczyk, mostrou que estudantes de escolas de alto desempenho dos Estados Unidos apresentam taxas de depressão, ansiedade, quebra de regras e abuso de substâncias muito maiores que a de estudantes em situação de pobreza, por exemplo.

“A pandemia representa uma situação de estresse que contribui para o surgimento de transtornos mentais em crianças e adolescentes. As características da pandemia são muito propensas para que surjam a partir dela problemas emocionais”. Ele lembra que a pandemia muitas vezes trouxe ameaça à vida, luto, restrições a atividades lazer, educacionais e sociais, além de stress, ansiedade e depressão de pais.

Conectados – Outro problema decorrente da pandemia foi a chamada fobia social, conforme destacou Alexandrina Meleiro, psiquiatra e integrante da Comissão de Atenção à Saúde Mental do Médico da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). Ao falar sobre o possível aumento da ansiedade, depressão e ideação suicida, ela destacou que, em idade escolar e universitária, foi observado aumento de tédio, desatenção, isolamento social, falta de capacidade para brincar fora e desfrutar de atividades extracurriculares.

Além disso, verificou-se ainda aumento do uso de mídias sociais e falta de serviços legais e preventivos para prevenir violência, abuso e danos em casa, entre outros reflexos. “Pudemos observar durante a pandemia um aumento do apego, medos, distúrbios do sono, falta de apetite, agitação, desatenção e distúrbios de separação”, disse.

E como cuidar da saúde mental da criança e do adolescente neste cenário? Para responder a esta questão, a pediatra e vice-presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), Luciana Rodrigues Silva, destacou o importante papel das famílias.

“A família é indispensável para a estruturação da saúde mental da criança. Na família que se vai construir a independência e o ‘estar no mundo’ dos indivíduos. Por isso, é fundamental que os pais precisam estar preparados para dar a seus o melhor que tiverem em relação ao amor, o bom senso, a orientação e estímulos para que a criança possa desenvolver o seu pleno potencial”, ressaltou.

O II Fórum Virtual de Pediatria, realizado em 12 de agosto de 2022, está disponível no canal do CFM no YouTube.

Notícias Relacionadas

Evento discute cenário das infecções respiratórias no público infantil

15 ago 2022
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.