Escrito por Roberto Luiz d’Avila*

Em 2007, o Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) realizou campanha no estado baseada no valor do médico. O tema pertinente nos levou à reflexão de que, no momento atual, tornou-se ainda mais amplo. Neste sentido, na semana em que se comemorou o Dia do Médico (18 de outubro) proponho a seguinte questão: Afinal, quanto vale a Medicina?

Ora, a Medicina trabalha em prol da vida e do bem estar dos indivíduos e do coletivo. Sendo assim, podemos considerar que ao valorizá-la está sendo valorizada também a própria existência de cada ser humano. Trata-se de atividade prioritária, sem a qual a noção de civilização estaria sob ameaça, e que, portanto, deve ter sua “essencialidade” reconhecida.

Isso deve gerar o estímulo à boa prática médica e à melhora da assistência. Para tanto, impossível ignorar a importância da adoção imediata por parte dos gestores – públicos e privados – de medidas que representem a oferta de melhores condições de trabalho aos profissionais, o respeito à sua autonomia no atendimento dos pacientes e o retorno a cada médico de honorários dignos e adequados, correspondentes à formação e à responsabilidade que lhes são exigidos.

Atualmente, assistimos nossa categoria se mobilizar. Na Saúde Suplementar, consolida-se a luta contra as operadoras, cuja cultura do lucro ignora a vida. No âmbito do SUS, aumenta a insatisfação com a indiferença histórica dos tomadores de decisão, que compromete a prática da Medicina e o direito dos 190 milhões de brasileiros de acesso universal, integral e equânime a serviços assistenciais, conforme previsto na Constituição e em leis específicas.

Com o apoio às manifestações dos médicos contra os abusos cometidos pelos planos de saúde, em setembro, e a mobilização ocorrida em 25 de outubro, na qual foi defendida a atenção aos problemas enfrentados no âmbito do SUS, o Conselho Federal de Medicina (CFM) materializa sua vocação de enfrentamento das forças que oprimem os médicos e a Medicina.  Ressaltamos, novamente, não se trata de ação corporativista, como apregoam alguns. Significa, na verdade, compromisso ético com a vida humana.

Seremos, sim, corporativos se isso representar o pleito para que os médicos possam trabalhar plenamente, garantindo aos seus pacientes o diagnóstico e o tratamento que esperam. Seremos, sim, corporativos, se formos obrigados a manter o confronto com os empresários que penalizam a população seduzida por promessas de atendimento diferenciado.

Estaremos alertas contra as soluções mirabolantes e falaciosas que fazem um desserviço à Nação. Desprovidas de base científica, elas não atacam a raiz dos problemas, mas fazem o nocivo jogo do marketing político, no qual as promessas são mais importantes que a realidade.

Por isso, bradamos alto contra a abertura de novas escolas médicas, pois o país não necessita de mais médicos, mas de uma carreira de Estado que estimule sua fixação nas áreas de difícil provimento. Também combatemos os argumentos que pretendem estender a outros profissionais a possibilidade do diagnostico e da prescrição, uma prerrogativa dos médicos cuja flexibilização coloca a segurança de todos em risco e abre as portas para a assistência de segunda linha, reservando os médicos apenas aos ricos.

Os médicos não pactuam com o silêncio. Por meio do CFM, eles se expressarão com o intuito de construir um projeto legítimo de Brasil. A sociedade nos acompanhará nesta jornada, pois, enxerga na Medicina o abraço solidário negado por tantos. Juntos, mostraremos – acima de tudo – o valor da vida.

 

*Roberto Luiz d´Avila é presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

 

* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.