Mário Henrique Osanai*

 

São estarrecedoras as revelações trazidas por personagens de esquemas de corrupção que assaltam o País. Apesar de toda a divulgação dos fatos, o dinheiro público segue tomando caminhos indevidos de forma indecente — e impune. Mesmo com cifras elevadíssimas, pouco se visualiza do impacto real desses absurdos.

É preciso perceber o tamanho desse mal. São hospitais fechando, escolas ruindo e o socorro que não vem. São vidas perdidas por males que superam a barbárie da tortura. São dramas que não se limitam aos indicadores de desnutrição, mas aos longos períodos de sofrimento por fome, dor física e abandono. Não se medem por índices econômicos de desemprego e recessão, mas pela agonia interminável do medo, da insegurança e das oportunidades que não retornam.
A corrupção contaminou a sociedade de forma hedionda e cruel. Comprometeu, inclusive, as instâncias que deveriam fiscalizar, organizar, proteger e garantir dias melhores para todos, em especial os vulneráveis e mais necessitados.

São décadas de desmandos em que os reflexos dessa torpe conduta estão cada vez mais expostos. Mas seguem invisíveis. Estão presentes no cotidiano de todos, em atos e omissões de bandidos, alguns ilustres e respeitados como autoridades. Hipócritas que deturpam a cidadania e a democracia, desfrutam de prestígio e poder, mas destroçam uma sociedade inteira. O mais trágico é que seguem com a certeza da impunidade. Nessa linha, parece insano esperar por mudanças eficazes em curto prazo.

Será preciso depurar, com rigor e comprometimento, cada instituição, cada representação, cada centavo gasto (ou desperdiçado). Nesse processo, muitas listas de escândalos e decepções ainda deverão surgir, demandando coragem e isenção na investigação, mas com a expectativa da justa responsabilização dos envolvidos e a reversão dos recursos em prol de toda a sociedade.

Caso contrário, será como o final de um espetáculo pirotécnico, em que, apesar do êxtase das lindas e efêmeras imagens proporcionadas, quem reina absoluta é a escuridão da noite.

 

*Médico graduado pela UFRGS em 1989/ Cremers nº 17.419/ Cancerologista cirúrgico – RQE nº 20.134/ Médico fiscal sênior do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (Cremers).

 
 

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.