Sidnei Ferreira*
 

 
As centenas de casos de microcefalia ligados ao zika vírus e o descontrole do sistema de saúde, que entristecem e envergonham a nação, mostram a fragilidade das ações de governo e expõem, também, quanto o sistema de saúde pública tem sido considerado de importância subalterna pelos três níveis de administração.

Superlotação dos hospitais e emergências, fechamento de leitos, desestruturação dos hospitais universitários, abertura indiscriminada de escolas médicas, terceirização do gerenciamento da saúde e falta de financiamento são exemplos que desvendam modelos de gestão ineficientes e corruptos como o das OSs, sem controle social ou governamental, exigindo ações urgentes e profundas.

Como em qualquer calamidade, crianças são mais expostas a agravos. O pediatra cuida do recém-nascido, da criança e do adolescente e, para isso, tem formação longa e específica. Torna-se assim, de maneira geral, complexo o atendimento a esses grupos etários por não pediatras ou profissionais não médicos, exceto em casos específicos. Feito de forma inadequada, poderá trazer prejuízos vitalícios à saúde desses pacientes.

O último censo, de 2010, contabilizou 48,2 milhões de menores de 15 anos de idade. Entretanto, o que se constata na rede pública é o pediatra ser substituído por clínicas de família (boa parte sem médicos) e outros profissionais, participando cada vez menos da atenção a crianças e adolescentes, trabalhando em condições indignas, com salário que não condiz com seus conhecimentos técnicos e científicos e com sua importância e responsabilidade.

Não há concurso público. Assim, trabalham com vínculos precários, sem plano de cargos, carreira e vencimentos, muitas vezes sozinhos ou em equipes cada vez mais desfalcadas.

Pelo já exposto, vemos a cada dia se deteriorarem o ensino da graduação e a residência médica.

A pediatria e o pediatra adoecem juntos, padecendo do mesmo mal. Sofrem igualmente suas famílias e as famílias dos que necessitam de seus cuidados. Como cuidar bem da criança e do adolescente se nosso ofício não é bem cuidado, levando muitos colegas, principalmente os que trabalham na ponta, a desespero e desesperança com a profissão? Precisamos mudar esse cenário.

A Câmara Técnica de Pediatria do Conselho Federal de Medicina (CFM) realizou o I Fórum Nacional de Pediatria, reunindo pediatras de todo o País, representantes da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), de suas filiadas, dos Conselhos Regionais de Medicina, da Associação Médica Brasileira (AMB), de escolas médicas e residentes. O relatório com as propostas está sendo finalizado e será distribuído para todos os interessados.

É preciso que os pediatras se unam e entrem na luta, exigindo que sejam ouvidos e respeitados pelos três poderes, fazendo parte das discussões e decisões que dizem respeito às políticas de saúde que envolvam a pediatria, o pediatra e nossas crianças e adolescentes. Questões trabalhistas também têm de ser revistas. A SBP poderá aglutinar e liderar o movimento.

É ilógico e inaceitável planejar a saúde da população sem ouvir o pediatra.

Não vai ser um trabalho fácil, mas tem de ser feito, e assim será.

 

* É 2º secretário do Conselho Federal de Medicina (CFM), conselheiro federal representante do estado do Rio de Janeiro e membro do Conselho Regional (Cremerj).

 

 
    

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

 

* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.