Rogério Wolf de Aguiar*

 

Quando somos atendidos por um médico, sabemos quem ele é – mesmo que, hoje em dia, com o atendimento de massa, muitas vezes não saibamos nem seu nome. Mas o que ele é?

Às vezes, projetamos no médico alguns papéis irreais. Vulneráveis, enfraquecidos por nossos sintomas, sofridos pelas nossas dores, ameaçados pelos nossos temores, quando nos sentimos doentes atribuímos a ele o poder de resolver tudo isso. É nosso desejo e de nossos familiares.

É natural que seja assim. Gostaríamos que a cura acontecesse por mágica, milagre ou qualquer coisa que atendesse a nossa vontade. O médico, com seu saber, deve assumir a incumbência para a qual foi formado, com diligência, perícia e prudência. Deve ter competência técnica. Mas não é mágico nem deus para fazer milagres. Compreendendo e aceitando suas capacidades e limites, poderá agir melhor para ajudar aqueles a quem atende, por mais que a realidade contrarie suas expectativas.

Esse é o campo da relação médico-paciente por excelência, tão importante quanto o da competência tecnológica: saber lidar com o paciente em seu momento de esperança-desesperança, biológica e psicologicamente, em seu contexto social. Esse é o médico em seu máximo potencial humano. Não há exagero algum em afirmar que sua atividade é de maior relevância social. Uma sociedade que preza a si mesma deve se empenhar fortemente para que a formação completa dos médicos seja sempre primorosa, ética e tecnicamente, e para que aqueles assim formados possam exercer suas atividades com dignidade e devidamente valorizados.

Em nosso país, os médicos muitas vezes trabalham em precárias condições, em lugares deficientes e sem acesso aos progressos da medicina. Cumprem verdadeiros atos heroicos. Mas a sociedade deve compreender que seria muito melhor atendida se precisasse menos de heróis e mais de seres humanos com boas condições de trabalho. No momento em que se celebra o Dia do Médico, é bom lembrar disso.

 

*É presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (Cremers).

 

     

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

 

* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.