Escrito por Jorge Carlos Machado Curi, presidente da Associação Paulista de Medicina


O ano já entrou em contagem regressiva. Certamente, não será necessário mais do que um piscar de olhos para começar a ouvir frases do gênero: “Nossa, o tempo voou; já estamos às vésperas do Natal e das festas”.

 É fato, o tempo voa. Daí a importância de aproveitá-lo muito bem, em todas as áreas. Isso vale para a vida pessoal, é válido para a profissional e também para a busca de avanços sociais, de novas conquistas.

 Os médicos de São Paulo e do Brasil têm demonstrado perspicácia, nesse sentido. Desde o início de 2009, cumprem fielmente um calendário de lutas, definido pelas entidades nacionais, por intermédio da Comissão Pró-SUS, cuja meta é obter conquistas essenciais à valorização da prática profissional e para a melhoria da saúde. Reivindicamos, entre outros pontos, uma carreira de Estado, a implantação de um Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos, educação continuada de qualidade e acessível a todos, a consolidação da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos na rede suplementar e sua adoção no Sistema Único de Saúde, além de um salário mínimo profissional.

 Usando o tempo, a organização e a coesão a nosso favor, mostramos, a cada dia, a nossa força e avançamos, de forma gradual e ininterrupta. Já fizemos grandes manifestações estaduais, como a convocada pela Associação Paulista de Medicina e entidades coirmãs,  em 2009, mantivemos e mantemos vigília permanente sobre os projetos de interesse dos médicos em tramitação no Congresso Nacional; também traçamos, com responsabilidade e cuidado, as próximas etapas do movimento.

 É assim que temos sensibilizado autoridades e a sociedade, colhendo frutos importantes. Meses atrás, por exemplo, a deputada Sandra Rosado foi sensível ao trabalho de convencimento da APM e demais entidades, apresentando relatório favorável ao Projeto de Lei 3734/08, que atualiza o salário mínimo profissional de médicos e dentistas para R$ 7 mil em 20 horas semanais.

 Porém, não podemos cruzar os braços e dar as conquistas como favas contadas. A mobilização é o caminho para as vitórias e temos de mantê-la, uma forma legítima de luta e de alerta à comunidade, também defendida pela Comissão Nacional Pró-SUS.

 Os médicos, todos nós, temos de exigir dignidade, em alto e bom som. Temos de exigir uma rede de saúde de qualidade, integral e universal para nossos pacientes. É nossa obrigação e nosso direito, como profissionais e cidadãos.

 Muitos colegas em diversas cidades alcançaram avanços importantes graças à organização. São conquistas referentes à carreira e melhoria de salários. É fundamental prosseguir mobilizados para novos avanços. O movimento médico e nossos pacientes buscam ansiosos esse salto de qualidade.


* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).


 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.


* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.