Escrito por Dalvélio de Paiva Madruga*

Por que e para que somos médicos? Somos médicos, porque atendemos a uma força interior, que nos faz ver habilidades para a medicina.

Para que? Atenuar sofrimentos, consolar ou curar aquele que é o motivo destas questões.Na realização deste chamado sacerdotal, e na aplicação dessa missão honrosa, é necessário, um preparo científico: pré-médico, médico, residência médica e, ter educação médica continuada, visando ao bem estar do paciente.

A interação das duas pessoas, que se encontram em condições diferentes, mostra o início de um processo de conhecimento complexo, porém determinante ao êxito do tratamento. Por vezes, estes contatos se tornam especiais, visto que o sofrimento se apresenta de formas diversas, modificando o comportamento do paciente. Ler nos olhos, compreender a verbalização de uma expressão, ouvir e sentir a alma destas pessoas, faz o médico participar plenamente de suas vidas.

O processo de adoecer resulta em transformação da afetividade na pessoa, trazendo ansiedade, insegurança e depressão. O doente transfere então ao médico o poder da solução desta modificação na sua vida, atribuindo a ele “onipotência”, estabelecendo-se um vínculo forte entre as duas pessoas. Quando esta relação é respeitada com o sigilo, a ética e a competência científica, começa então a amizade. Ao médico, cabe o equilíbrio entre a emoção e a razão.

A vida como processo de evolução, coloca-nos sempre servindo e aprendendo. O conhecimento sobre eutanásia, bioética, clonagem, reprodução, são alguns progressos da ciência, dos quais devemos estar preparados para esclarecimentos, fortalecendo a relação e amizade. A amizade, sentimento de afeição, ternura, amparo, proteção e camaradagem, vão se aprofundando a cada consulta.

Juntos o médico cientista e o médico amigo, certamente serão as esperanças da sociedade para resgatar a medicina mais humanitária.

No dia que lembramos e festejamos o médico, reafirmamos sua atuação heróica, amiga e imprescindível à sociedade.

* É presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado da Paraíba (CRM-PB).

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).


 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.


* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.