Escrito por Marcus Vinícius Bolívar Malachias, presidente do Departamento de Hipertensão da Sociedade Brasileira de Cardiologia

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).


 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

 

A cada ano, cerca de 7,6 milhões de mortes, 14% do total mundial, são atribuídas à hipertensão não controlada. Cerca de 80% dessas mortes ocorrem em países de baixo e médio desenvolvimento econômico e mais da metade em indivíduos entre 45 e 69 anos. No Brasil, a hipertensão afeta mais de 30% dos adultos. Cerca de 315 mil óbitos ocorrem anualmente por doenças cardiovasculares, dos quais mais da metade estão relacionados à hipertensão, com destaque para os derrames e infartos. Além disso, a hipertensão é, em nosso meio, a principal causa de doença renal crônica, que ocasiona mais de 10 mil óbitos anuais no país e a inclusão de 95 mil pessoas em programas de diálise ou filas de transplante.

 A hipertensão é, na maioria de seus portadores, assintomática. Por não apresentar sinais ou sintomas da doença, poucos são os que fazem tratamento regular. Os percentuais de adesão ao tratamento situam-se em torno de 10 a 20% da população brasileira afetada. Levantamentos recentes revelam que, mesmo em consultórios médicos privados, o controle não atinge sequer a metade dos hipertensos ali atendidos e que menos da metade segue o tratamento por mais de um ano. Se não tratada adequadamente, a hipertensão pode reduzir em cerca de 16,5 anos a expectativa de vida. Nos casos não fatais, ressalta-se a perda da qualidade de vida dos sobreviventes de derrames e infartos, quase sempre sequelados.

 Se poucos aderem ao tratamento com remédios, resta uma opção atraente que é adequação do estilo de vida, capaz de controlar um grande percentual de hipertensos sem medicamentos. Mesmo uma modesta perda do peso corporal está associada a reduções na pressão.  Além disso, manter o peso normal (índice de massa corporal inferior a 25 Kg/m²) previne em 40% o desenvolvimento de hipertensão. Dietas ricas em frutas, hortaliças, fibras, minerais e laticínios, com baixos teores de gordura, nos estilos DASH (Dietary Approaches to Stop Hypertension) e mediterrânea podem operar milagres no controle pressórico. Embora seja de conhecimento geral que o sal eleve a pressão, o seu consumo é cada vez maior em função do crescente consumo de alimentos e temperos industrializados. A Organização Mundial de Saúde recomenda um consumo diário de não mais que 5 g de sal, que corresponde a 2 g de sódio. O consumo médio do brasileiro é de mais que o dobro do recomendado.

 Muitos nutrientes têm revelado propriedades anti-hipertensivas, tais como: alicina (presente no alho, alho poró, cebola e cebolinha), betaglucano (presente na aveia), a substituição de parte da proteína alimentar por um composto de soja ou a troca de gorduras saturadas e alimentos ricos em gordura animal por peixes, oleaginosas (castanhas), azeite de oliva e óleos vegetais. O consumo diário de dois ou mais copos de leite ou porções de laticínios magros correlacionou-se a menor incidência de hipertensão, provavelmente devido ao aporte de cálcio. A vitamina D obtida pelo consumo de peixes e pela exposição ao sol também é uma importante aliada. Os polifenois contidos no chocolate amargo, maça, uva, cebola, café e nos chás preto e verde têm potencias propriedades vasoativas, aumentado a liberação de óxido nítrico, um potente vasodilatador produzido nas artérias.

Pequenas doses de bebidas alcoólicas, 15 a 30 gramas de etanol, podem fazer parte do cardápio do hipertenso. Essa quantidade corresponde a 2 latas de cerveja, 2 doses de destilados ou 2 taças pequenas de vinho, para homens, utilizados de forma não  diária, sendo recomendada a metade dessas quantidades para mulheres.

A atividade física regular, de pelos menos 30 minutos diários, promove vasodilatação sustentada e eficaz redução da pressão. Técnicas de relaxamento, incluindo yoga, biofeedback e principalmente a respiração lenta têm comprovado significativos efeitos anti-hipertensivos. Finalmente, a correção da apnéia do sono, por meio de equipamentos de auxílio respiratório noturno, reduz a pressão de pessoas com esse distúrbio comum.



* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.