Escrito por Rita Francis Gonzalez y Rodrigues Branco*

 

O curso de medicina da PUC de Goiás tem como base metodológica a problematização. Além do já conhecido Problem Based Learning (PBL), o curso trabalha com a metodologia da problematização composta do Arco de Maguerez, que tem como base epistemológica a teoria de Paulo Freire. Dessa forma, os estudantes do primeiro ao último ano do curso, semanalmente, se reúnem com vários professores (médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, advogados) para problematizarem, teorizarem e definirem soluções de dispersão para situações-problema por eles vivenciadas no transcorrer do curso médico.

No primeiro bimestre de 2015 os acadêmicos do sétimo período levantaram como problema o atendimento de um paciente idoso e deficiente auditivo. Tal caso-problema fez com que, depois do debate, os estudantes partissem para o levantamento de publicações que dessem conta das possibilidades de atendimento ao deficiente auditivo em vários níveis.

Ao final do estudo sobre o referido assunto e depois do debate com uma fonoaudióloga que defendeu doutorado sobre a relação com o paciente surdo, ficou clara para todos a necessidade de o médico ser bilíngue, ou seja, ter formação na língua pátria (no caso, o português) e na língua brasileira de sinais (Libras).

Para os médicos que não tiveram oportunidade de estudar Libras, os acadêmicos de Medicina da PUC Goiás sugerem o uso de aplicativos para celulares e smartphones bastante interessantes na tentativa de facilitar a comunicação com os pacientes surdos, tais como o Hand Talk (http://handtalk.me/) e o ProDeaf (http://prodeaf.net/).

Seria interessante que os conselhos regionais de medicina (no caso de Goiás, o Cremego) pudessem fornecer cursos de Libras aos médicos que, por algum motivo, não tenham tido acesso a essa formação enquanto estudantes.

Vale lembrar aos interessados que existem alguns livros sobre a comunicação com pacientes deficientes auditivos, que ampliam o saber médico e facilitam a relação médico-paciente.

 

*Rita Francis Gonzalez y Rodrigues Branco – CRM 3065, em nome da turma do sétimo período do curso médico da PUC Goiás.

 
    

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

 

* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.