Escrito por João Brainer Clares de Andrade*

 

No final do último semestre, o Governo Federal decidiu acelerar a expansão de vagas em cursos de Medicina por todo o País. Em feito inicial, foram credenciadas mais de duas mil vagas distribuídas por instituições públicas e privadas. Vale destaque ainda que há anos já há uma expansão pública de vagas a futuros médicos, a despeito do crescente volume de iatrogenias e do mau desempenho de muitas instituições por todo o país.

A justificativa é coerente, mas há erro na solução: interiorizar os profissionais médicos e duplicar a proporção que hoje há quanto à população brasileira. O erro, no entanto, é claro: o crescimento tem obedecido a um ritmo caótico, pouco planejado. Crê-se que a mera oferta de profissionais ao mercado salvará as vidas que se perdem pela falta de estrutura e assistência, em todos os níveis. Parece, assim, ser mais barato: um falso alívio na consciência alheia…

A expansão de vagas é regida por um projeto incoerente: unidades formadoras mal avaliadas ou que não atendem a uma estrutura elementar ganham crédito para formar médicos, que labutam na mais extensa graduação ofertada no País e ainda demandam, na grande maioria das vezes, de formação especializada que pode requerer até mais seis anos.

Assim, a despeito da intenção dos entes públicos, é preciso expandir com responsabilidade, articulando melhorias de estrutura, assistência e gestão. Isoladamente, ofertar mais médicos, abdicando de olhos rígidos sobre a formação, é avolumar um problema, é atentar contra a saúde de milhares de inocentes.

 As medidas que beiram a irresponsabilidade, quando há claro pacto de entidades públicas, ratificam famosa e repugnante frase já proferida por políticos no Estado, em que médicos são comparados ao sal: brancos, baratos e de fácil acesso… Agora, em tom ainda pior, parecem acrescer novo predicativo: médicos vindos de tal expansão condenável serão tão danosos quanto o sal… 

 

*João Brainer Clares de Andrade é acadêmico de Medicina da Universidade Estadual do Ceará (UFC).


* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).


 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.


* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.