Escrito por Marcio Vieira Muniz*

 

 

   Relatórios do Tribunal de Contas da União, da Câmara Federal e do Conselho Federal de Medicina denunciam o descaso que assola as Urgências e Emergências brasileiras, colocando em risco a assistência e a vida de milhões de brasileiros.

   Em certos momentos o cenário que se apresenta é semelhante ao dos campos de guerra, expondo a todo instante o descompromisso com a assistência à saúde da população que de- pende do sistema público de saúde, o SUS.

Outra medida adotada pelo governo federal e questionada é o envio de grande volume de dinheiro para a Organização Pan-americana de Saúde, OPAS, presidida por um cubano, em detrimento das unidades federais carentes de recursos. O valor encaminhado daria para financiar o custo de dois INCAs – Instituto Nacional do Câncer ou duas vezes o gasto dos Hospitais Federais do Rio de Janeiro. Sete estados recebem menos do que a OPAS.

A forma criada para mandar dinheiro para Cuba deveria ser questionada não só pelas entidades citadas, assim como, por toda a população brasileira que precisa dos atendimentos do SUS.

Acompanhando tudo isso vem também a mania de empurrar para os estados e municípios toda a culpa do errado que acontece.

Junto com as atividades previstas para os médicos que vieram de outros países, com o dobro ou triplo do custo dos médicos brasileiros, é fundamental ser criada pelo governo federal a “Carreira de Estado” para os profissionais de saúde, concursados, semelhante ao que já acontece com outras profissões. O estímulo da carreira com promoção pela meritocracia levará os jovens médicos brasileiros ao trabalho no serviço público de qualidade e em qualquer lugar do Brasil.

A rede estruturada e equipada e os profissionais motivados pela carreira progressiva darão ao SUS o êxito que ele merece e permitir alcançar o objetivo pelo qual foi criado.

Os gastos astronômicos com peças de mídia para anunciar o pouco que se faz, devem ser canalizados para a melhoria do sistema de saúde.

Os desvios de rota, ideológicos ou por incompetência, não podem permanecer e a Saúde Pública deve ser motivo de orgulho para a Nação e para nossa população.

 

– Saúde para o SUS, é o que desejamos.

 

 

* É médico clínico /hematologista/hemoterapeuta-ABHH, Membro Emérito da Academia Brasileira de Medicina Militar.  

 
    

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

 

* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.