Escrito por José Luiz Gomes do Amaral*

 

Esperávamos, da proposta apresentada, pelo menos 20 bilhões a mais em recursos para a Saúde, a partir de 2008. Ofereceram-nos 4 bilhões e a CPMF.

A Emenda Constitucional 29 aprovada pela Câmara dos Deputados esta semana resulta insuficiente e se faz apresentada como moeda de troca. Os recursos terão como fonte a arrecadação da CPMF, que também depende de votação favorável do Senado Federal para ser prorrogada. A saúde do cidadão brasileiro é usada para chantagear os parlamentares, forçando-os a aprovar a CPMF. Uma imoralidade.

Quatro bilhões não representam acréscimo relevante no orçamento da saúde de 2008 e deixam o sistema de saúde em risco de iminente colapso. O Brasil permanecerá sendo um dos países do mundo que menos investem por habitante em saúde.

A Emenda 29 estabeleceu, em 2000, os percentuais de investimentos mínimos das três esferas governamentais: federação, estados e municípios. Determinou-se que a União deveria aplicar, no mesmo ano 2000, 5% a mais do investido em 1999 e que nos anos seguintes o valor seria corrigido pela variação nominal do PIB. Do outro lado, os estados ficaram obrigados a aplicar 12% da arrecadação de impostos, e os municípios, 15%.

Tratava-se de uma normativa transitória que deveria vigorar apenas até 2004, mas que ainda continuava valendo em virtude da não aprovação do projeto de lei complementar (PLP) 01/2003, de autoria do ex-deputado Roberto Gouveia. Este PLP define também as ações e serviços específicos da saúde, de forma a acabar com os contumazes desvios de recursos para outros setores. Determinava ainda à União que destinasse à saúde 10% de suas receitas correntes brutas.

O texto aprovado no dia 31 de outubro, um substitutivo de autoria do deputado Guilherme Menezes (PT-BA), muda, entretanto, o texto original do PLP 01/1003 no que se refere ao repasse de 10% da receita bruta da União e que elevaria já em 2008 o investimento em saúde em mais de 20 bilhões. O projeto modificado estabelece, a priori, que o sistema de saúde receberá uma verba extra de R$ 24 bilhões em quatro anos, sendo R$ 4 bilhões em 2008, R$ 5 bilhões em 2009, R$ 6 bilhões em 2010 e R$ 9 bilhões em 2011.

Resta-nos a indignação pelo desrespeito que se tem pela saúde dos cidadãos de nosso País. Até quando seremos humilhados?


* José Luiz Gomes do Amaral é presidente da Associação Médica Brasileira (AMB).


* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).


 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.


* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.