Alexandre Paim Diaz*

 

O suicídio está entre as dez principais causas de mortalidade no mundo e é o segundo motivo mais frequente na faixa etária dos 15 aos 34 anos. Não é possível estabelecer uma explicação única para esse tipo de morte. O mais provável é que resulte de uma interação entre fatores sociais, ambientais e individuais. No entanto, sabemos que os transtornos psiquiátricos têm um peso diferenciado nessa equação: quase todas as pessoas que cometeram suicídio apresentavam doenças como depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia ou faziam uso de drogas, lícitas ou ilícitas. Assim, o tratamento do transtorno psiquiátrico é a principal forma de prevenção do suicídio, cujo risco é uma emergência médica.

O estigma é uma das maiores barreiras para o acesso ao tratamento: está presente na pessoa que evita buscar ajuda por vergonha dos seus sintomas, no gestor que não direciona os recursos necessários à saúde mental e naquela pessoa (familiar, amigo ou colega) incapaz de reconhecer que, caso houvesse possibilidade de escolha, não se optaria pela doença. O estigma nos cega para a eficácia e segurança da eletroconvulsoterapia e colabora para o fechamento de leitos de tratamento psiquiátrico, ambos necessários para salvar vidas.

O Setembro Amarelo é uma iniciativa da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e do Conselho Federal de Medicina (CFM) que tem como objetivos principais: 1) chamar a atenção da sociedade para esse grave problema de saúde pública; 2) fornecer informações técnicas sobre os principais fatores de risco e as formas de prevenção do suicídio. Mas ao falar da importância do diagnóstico e do tratamento dos transtornos psiquiátricos, o Setembro Amarelo vai além e contribui para a redução do estigma e do preconceito dos quais inúmeros brasileiros são vítimas. Mais do que isso, reconhece o potencial de cada indivíduo da sociedade civil para ajudar na redução das taxas de suicídio, não somente a partir do conhecimento dos sinais de alerta, fatores de risco e de proteção, mas também colaborando com a redução do estigma e do preconceito em relação aos transtornos psiquiátricos.

 

*Co-coordenador Nacional da Campanha Setembro Amarelo ABP/CFM.

 

 

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.