Rede dos Conselhos de Medicina
Cinco médicos recebem comendas do CFM por dedicação à Medicina e à sociedade Imprimir E-mail
Seg, 05 de Dezembro de 2016 15:41
A homenagem ressalta o desempenho ético, a competência técnica e o compromisso de médicos com a sociedade e com a medicina.
 

Desde sua criação, 21 médicos já foram homenageados.Grandes nomes da Medicina serão homenageados com o recebimento de comendas outorgadas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) por relevantes contribuições ao País ao longo de suas trajetórias pessoais e profissionais. A solenidade ocorrerá na noite dessa terça-feira (6 de dezembro), em Brasília, no auditório do CFM.

As honrarias, criadas em 2011 pelo Plenário do CFM, ressaltam o desempenho ético e o compromisso social para com a Medicina por profissionais ou instituições no esforço de construção de uma sociedade mais justa e um mundo melhor. Desde sua criação, 21 médicos já foram homenageados, tendo como destaque os nomes de Adib Jatene e de Ivo Pitanguy, que receberam as honrarias de Saúde Pública, e Literatura e Artes, respectivamente.

Para o presidente do Conselho Federal, Carlos Vital Tavares Corrêa Lima, a entrega dessas distinções reconhece os valores e a dedicação dos escolhidos em prol da Medicina em cada uma de suas áreas de atuação. “Temos a honra de escolher nomes de extrema relevância na Medicina, uma vez que é a atribuição judicante dos conselhos de medicina zelar e trabalhar, por todos os meios ao seu alcance, pelo perfeito desempenho ético da Medicina”, apontou.

Homenageados – Em 2016, o primeiro outorgado será o escritor Heitor Rosa, que receberá a comenda de Medicina, Literatura e Artes. Rosa é autor de diversas obras premiadas, como o “Show do Esqueleto”, principal manifestação cultural dos estudantes de Medicina da Universidade Federal do Goiás (UFG). Um dos livros publicados por ele, Memórias de um cirurgião-barbeiro, de 2006, teve o prefácio de Moacyr Scliar.

Reconhecido pelo CFM em Medicina e Humanidades Médicas, Mário Barreto Corrêa Lima se dedicou à causa pública e ao estímulo de uma formação médica que valorizasse a compreensão do ser humano e de todo seu contexto. Isso se refletiu na sua carreira literária, com a publicação de diversos livros, artigos e textos sobre Humanidades Médicas. Entre os livros sobre assunto estão Rumos da Assistência Médica e Prioridade para a Saúde, uma Longa e Árdua Luta.

O médico José da Silva Guedes será reconhecido pela comenda Medicina e Saúde Pública. Guedes se formou na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) em 1961, tendo se especializado como médico sanitarista e concluído o doutorado em Saúde Pública. Sempre manifestou interesse pelo campo das moléstias infecciosas e pela Saúde Pública, o que o levou a trabalhar no Hospital Emílio Ribas em 1962, num momento em que o País era severamente atingido por epidemias de sarampo, meningite, caxumba e outras doenças.

No campo da Medicina e Ensino Médico, a comenda do CFM será entregue a Júlio Torres, professor emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), onde exerceu atividades por 32 anos. Já o senador Ronaldo Ramos Caiado será agraciado pela comenda Medicina e Responsabilidade Social por ter contribuído com lutas pela categoria no Congresso Nacional ao longo dos seus 25 anos de política, tendo como destaque a apresentação da PEC 454/2009, que cria a Carreira de Médico de Estado.

 

Saiba mais sobre os homenageados de 2016:

 

Heitor Rosa – Comenda Moacyr Scliar, de Medicina, Literatura e Artes

Heitor Rosa é autor de obras premiadas como o “Show do Esqueleto”, principal manifestação cultural dos estudantes de medicina da UFG. Entre os livros publicados por Heitor Rosa estão: Histórias agudas e crônicas: do apêndice ao avião (1996, crônicas); Os ossos do coronel Azambuja (1998, contos); O Enigma da Quinta Sinfonia (2000, contos); Memórias de um cirurgião-barbeiro (2006, romance com prefácio de Moacyr Scliar); Julgamento em Notre Dame (2009, romance); Histórias de Creusa (2009, crônicas) e a coletânea Originais Inéditos (2010).

 

Júlio Rufino Torres – Comenda Fernando Figueira de Medicina e Ensino Médico

Júlio Torres é professor emérito da Ufam, onde exerceu atividades por 32 anos. Nesse período, foi professor de Clínica Cirúrgica, chefe do Departamento de Medicina Especializada e diretor do Serviço de Ortopedia do Hospital Universitário Getúlio Vargas. É autor de quatro livros, entre deles Pegadas de Deus, obra que abordou a fé sob a ótica de homens que exercem a Medicina e defendem que sua prática ocorra subordinada a valores como justiça, solidariedade e respeito ao próximo.

 

José da Silva Guedes – Comenda Sérgio Arouca de Medicina e Saúde Pública

José da Silva Guedes se formou na Faculdade de Medicina da USP em 1961, tendo se especializado como médico sanitarista e concluído o doutorado em Saúde Pública. Sempre manifestou interesse pelo campo das moléstias infecciosas e pela Saúde Pública, o que o levou a trabalhar no Hospital Emílio Ribas em 1962, num momento em que o País era severamente atingido por epidemias de sarampo, meningite, caxumba e outras doenças.

 

Mário Barreto Corrêa Lima – Comenda Mário Rigatto de Medicina e Humanidades

Mário Barreto Corrêa Lima se dedicou à causa pública e ao estímulo de uma formação médica que valorizasse a compreensão do ser humano e de todo seu contexto. Isso se refletiu na sua carreira literária, com a publicação de diversos livros, artigos e textos sobre Humanidades Médicas. Entre os livros sobre assunto estão: Rumos da Assistência Médica e Prioridade para a Saúde, uma Longa e Árdua Luta.

 

Ronaldo Caiado – Comenda Zilda Arns Neumann, de Medicina e Responsabilidade Social

Ronaldo Ramos Caiado se formou em Medicina em 1974 pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e atua como especialista e cirurgião da coluna há mais de três décadas. Fez residência médica no Hospital Miguel Couto, no Rio de Janeiro e Especialização no Serviço de Cirurgia Ortopédica e Traumatológica do Professor Roy Camille, Paris, França, em 1978. O atual líder do Democratas no Senado é autor da PEC 454/2009, que cria a Carreira de Médico de Estado. O primeiro cargo foi ocupado em 1991, quando eleito deputado federal por Goiás.

 
 
 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner