Rede dos Conselhos de Medicina
Demografia Médica 2015: Com aumento no total de médicos, Brasil se aproxima de países da OCDE Imprimir E-mail
Seg, 30 de Novembro de 2015 00:00

O Brasil possui uma taxa de 10,21 diplomados (recém-formados) em medicina por 100 mil habitantes, que é uma taxa próxima da aplicada nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), hoje em 10,56. O indicador brasileiro é maior do que o existente em países como Suíça (9,4), Espanha (9,0), Estados Unidos (6,5) e França (6,0). Os dados fazem parte do estudo Demografia Médica do Brasil 2015, lançado nesta segunda-feira (30). Todas as informações podem ser acessadas aqui.

O dado consta do estudo Demografia Médica no Brasil 2015, realizado pela Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) com apoio do Conselho Federal de Medicina (CFM) e Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), que foi lançado nesta segunda-feira (30), na capital paulista.

De acordo com estudo, no Brasil, a tendência é de que essa taxa aumente ainda mais nos próximos anos, pois com a expansão de cursos e vagas de medicina, anualmente entram muito mais médicos no mercado de trabalho do que saem.

Em 2012, por exemplo, entraram 17.267 médicos e saíram 5.327. Em 2014, o número de novos médicos saltou para 19.993, contra 7.707 que deixaram de exercer a medicina, seja por morte ou aposentadoria, por exemplo. A previsão é que a partir de 2020, quando as escolas médicas autorizadas a funcionar agora formarem suas primeiras turmas, sejam formados anualmente no Brasil mais de 32 mil médicos por ano.

 

alt

Leia mais: 

 

População médica cresce mais que a geral, mas persistem desigualdades na sua distribuição 

7,6% dos médicos têm mais de um registro nos CRMs 

59% dos médicos brasileiros possuem ao menos um título de especialista 

Seis especialidades respondem por metade dos titulados 

População que depende do SUS tem três vezes menos médicos que usuários de planos de saúde 

Estudo esmiuçou diferenças de perfil entre os profissionais dos setores público e privado 

Maioria dos médicos do setor público atua em hospitais 

Médicos sofrem com múltiplos vínculos e longas jornadas de trabalho e plantões 

Um terço dos médicos afirma estar com sobrecarga de trabalho 

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner