Rede dos Conselhos de Medicina
HUMANIDADES EM MEDICINA: III Congresso começa com críticas ao momento político do País Imprimir E-mail
Qui, 24 de Outubro de 2013 10:36

O III Congresso Brasileiro de Humanidades em Medicina teve início na quarta-feira (23) com um chamado à defesa da profissão e da saúde brasileiras. O presidente do Conselho Regional de Medicina da Bahia, Abelardo Meneses, chamou a atenção para a necessidade de se desenvolverem estratégias para fortalecer o movimento médico e resgatar a imagem da categoria diante dos pacientes. Os outros participantes da mesa da abertura do encontro, realizado em Salvador (BA), também criticaram o uso dos problemas do setor como plataforma politica, ignorando aspectos legais, técnicos e éticos.

“Não é possível mais suportar políticas eleitoreiras. O país precisa é de cidadania”, lembrou o 1º vice-presidente do Cabertura iii congresso hum grandeonselho Federal de Medicina (CFM), Carlos Vital. Já  presidente da Federação Brasileira das Academias de Medicina (FBAM), José Leite Saraiva, pediu respeito à profissão e aos seus princípios fundamentais, resgatando-se a dignidade em seu exercício a partir do respeito à legislação.  Para Pietro Novellino, presidente da Academia Nacional, ressaltou ainda a importância da união da categoria neste processo.

O presidente do CFM, Roberto d’Avila, ressaltou a importância dos debates que serão conduzidos até a próxima sexta-feira (25). Para ele, o Congresso de Humanidades serve de espaço para reflexão sobre os tempos correntes onde “nada que é humano é estranho”. Preocupado com o futuro, o responsável pela organização do encontro, disse que a sociedade está insensível às ameaças que colocam em risco conquistas e avanços alcançados nas últimas décadas. Na avaliação da presidente da Associação Nacional dos Médicos Residentes (ANMR), Beatriz Rodrigues, concordou com a avaliação e lembrou que a busca da humanização da assistência e o fortalecimento do vínculo médico-paciente são peças chaves para a superação dos problemas atuais.  

Logo após as manifestações da abertura do III Congresso de Humanidades, o convidado de honra da noite, o professor Dante Marcello Claramonte Gallian (diretor do Centro de História de Filosofia das Ciências da Saúde da Escola Paulista de Medicina), apresentou a conferência “As humanidades e a humanização no ensino e na prática médica”. De acordo com ele, a humanização não se restringe a quadros e belos ambientes em hospitais, mas envolve propostas sérias para reduzir o impacto de abordagens profissionais caracterizadas pela prevalência da técnica, mas por meio de um debate profundo sobre a teoria e a prática médicas. “Imaginava-se que se pode humanizar o médico da mesma forma como o treina. Houve uma investigação na qual se descobriu que por trás das políticas de humanização encontra-se um equívoco antropológico. Trata-se de uma visão do homem fundamentada numa visão racionalista. A perspectiva da humanização está sendo vista no viés do aperfeiçoamento”, polemizou.

O III Congresso de Humanidades em Medicina continua nesta quinta-feira (24) com debates sobre a judicialização da Saúde. Também estão previstos os lançamentos dos livros Disciplina Literatura e Medicina – A pesquisa do contexto médico em textos literários: uma leitura transdiscursiva, de Mário Barreto Correa Lima e Paulo César dos Santos Leal; Primeiras impressões – iátrico em perspectiva, de João Manuel Cardoso Martins. No fim do dia, ocorrerá a entrega de comendas do CFM a cinco personalidades da Medicina que se destacaram em diferentes áreas de atuação.  

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner