Rede dos Conselhos de Medicina
Números sobre a saúde mental do médico são alarmantes Imprimir E-mail
Seg, 21 de Outubro de 2002 21:00
Alertar e fazer o médico refletir sobre sua saúde. Esta foi a proposta da psicanalista Débora Pimentel ao palestrar sobre a “Saúde Mental do Médico”, na última quinta (17/10), no auditório do CRM. O evento fez parte da programação da Semana do Médico e foi realizado numa parceria entre o Conselho e o Sindimed. Algumas questões como a humanização da relação médico-paciente, debatidas em plenárias promovidas pelo Conselho mensalmente, foram colocadas como prioridade na profissão do médico. “Escutar seu paciente é a parte mais importante da consulta. Maimônides já dizia no século XII, que uma consulta ideal deve ter uma hora: 10 minutos para cuidar do corpo e o restante para cuidar da alma. Mas hoje a medicina tem característica de fast-food. Infelizmente é uma imposição, principalmente do Serviço Público. Mas é essencial ouvir, olhar, tocar o paciente. Ele espera por isso.” Os números apresentados pela palestrante assustam. Os médicos são acometidos cada vez mais cedo por doenças psicossomáticas e pelo uso indiscriminado de drogas, que incluem tranquilizantes e bebidas alcoólicas. “E o pior é que eles não se dão conta de que estão doentes. A síndrome narcísica, que os faz pensar que nada vai acontecer com eles, é uma das responsáveis pelas doenças do jaleco branco”, explicou a psicanalista. O quadro no Brasil é tão sério, que a categoria médica é a segunda que mais comete suícidio, ficando atrás apenas dos policiais. Em média, 11% dos óbitos registrados entre os 24 e 39 anos são de médicos. Em São Paulo os médicos cometem quatro vezes mais suicídio do que a população em geral. Os policiais sete vezes. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Hospital das Clínicas de São Paulo, 63% dos médicos são hipertensos, 95% sabem disso e não fazem nenhum tipo de tratamento. Dez por cento dos especialistas - clínicos, anestesistas e cirurgiões, nesta ordem - usam drogas. Sem contar a expectativa de vida do médico que é de 10 anos a menos que a população em geral. Pesquisas também demonstram que as médicas são mais estressadas que os médicos. Isto pelas múltiplas funções de médica, mulher, mãe, filha, dona de casa...
 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner