Às vésperas de um novo processo eleitoral, é comum lembrarmos experiências semelhantes do passado recente. Recordo, por exemplo, que no pleito de 2005, quando da renovação das representações de prefeituras e câmaras municipais, a saúde ocupou o centro dos debates. Em algumas cidades, como em São Paulo, a questão do atendimento de saúde aos cidadãos teve papel preponderante no resultado das urnas. Devido aos acontecimentos dos últimos meses, é bastante provável que discussões mais acaloradas se dêem sobre outros temas. Não resta dúvida de que o mensalão estará em foco, assim como a necessidade de resgatarmos os princípios éticos e democráticos na condução da política. Outro assunto que também suscitará uma polêmica importante e necessária é a questão da segurança pública. Onde começam e terminam as responsabilidades de cada instância de poder na crise atual? O que fazer para garantir aos brasileiros um dia-a-dia mais tranqüilo, com menos violência? Apesar do interesse que ética, democracia e segurança merecem, a saúde deve ter lugar privilegiado no processo eleitoral. Afinal, avançamos muito menos do que podíamos de uns tempos para cá. E os problemas, ainda graves, continuam os mesmos: filas em hospitais e postos de saúde, escassez de medicamentos, equipamentos obsoletos, falta de uma política de valorização dos recursos humanos e por aí vai. Como é comum nesta época, muitos aparecerão nas rádios e na TV para se dizer salvadores do Brasil. Soluções mágicas também surgirão. Não podemos, em momento algum, nos deixar iludir de novo por falsas promessas e por pseudo-salvadores. O caminho para escapar deste tipo de armadilha é votar no trabalho consolidado, na coerência histórica, na postura que os candidatos tiveram ? e mantém ? em suas vidas. Na área da saúde, por exemplo, precisamos de representantes que sempre lutaram, mesmo sem ocupar cargos eletivos, pela melhoria da qualidade de atendimento aos pacientes, pela valorização do trabalho dos médicos e de outros profissionais de saúde, por um sistema de saúde digno e mais justo. Enfim, uma trajetória de lutas em prol da cidadania e da construção de uma sociedade mais justa é um cartão de visitas que deve ser levado em conta. Se fugirmos dos falsos profetas e dermos um voto de confiança aos que de fato agem em favor do coletivo, certamente teremos num futuro próximo motivos para comemorar.


* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).


 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.


* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.