Escrito por Marco Antônio Becker*

A saúde pública subiu ao palanque. Ganhou as ruas, é tema central de outdoors, cartazes, panfletos e, principalmente, brilha no horário político da mídia eletrônica.

A saúde, enfim, é o centro das atenções. Passa o ano inteiro ignorada, desprezada. Esquecida, coitada. Tanto que é a principal causa de insatisfação da população, segundo pesquisas feitas recentemente. A saúde, portanto, dá voto.

A verdade é que bastaria o cumprimento de dez por cento das promessas dos candidatos – que acenam com uma saúde melhor para todos, agilidade na obtenção de consultas e cirurgias, medicamentos gratuitos em profusão etc. – para transformar a saúde pública brasileira em modelo para o mundo. Com isso justificando até mesmo aquela frase ufanista e delirante segundo a qual o SUS estaria próximo de atingir a excelência. Não, a saúde não precisa de promessas: promessas sempre existiram. A saúde precisa mesmo é de ações objetivas e concretas. Precisa de dinheiro. E dinheiro é o que não falta nos cofres da União, que nunca arrecadou tanto em impostos como nos últimos tempos.

É claro que dinheiro, só, não basta. É preciso fiscalizar de cima, com lupa, a aplicação da cada centavo, porque estamos todos cansados de ver recursos públicos escoar pelos ralos da corrupção. É fundamental, também, uma política séria de saúde, que, entre outras coisas, valorize os médicos do SUS.

Enquanto candidatos discursam e prometem investimentos no setor – sem definir de onde sairá o dinheiro -, hospitais continuam fechando, funcionários paralisam em busca de pagamento de salários atrasados, de uma remuneração digna e de condições mínimas de trabalho.

Como reflexo dessa insensibilidade de quem controla a chave do cofre, milhares de pessoas padecem diariamente no país, à espera de uma solução para seus problemas de saúde.

Em Brasília, a base governista no Congresso faz de tudo para protelar a aprovação da regulamentação da Emenda 29, que, em síntese, pode ser o primeiro passo para uma saúde digna para todos, porque estabelece os valores mínimos que a União, os Estados e os Municípios devem investir nesse campo.

A União, que recebe a imensa maior parcela da receita dos impostos arrecadados no país, será obrigada, então, a retornar uma fatia maior do bolo fermentado com os impostos de todos nós.

A saúde vai eleger muita gente. Depois, quando o palanque for desmontado, restará apenas como mais uma promessa não cumprida. Pelo menos até o dia em que a sociedade como um todo fizer valer o seu direito de acesso amplo e universal a uma assistência eficiente, digna e igualitária.

* É conselheiro federal e presidente da Confederação Médica Latino-Americana e do Caribe (Confemel).


* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).


 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.


* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.