É típico da cultura brasileira a cobrança ou exaltação da atenção, manifesta na expressão: “Sabe com quem está falando?”. Nesse espaço cabem três personalidades diferentes. As pessoas realmente importantes, aquelas que foram importantes, elite sem poder e as que parecem ser – os oportunistas. A propósito, em viagem recente, duas mulheres viajavam em poltronas vizinhas e conversavam entusiasmadamente sobre novela televisiva, cujo título era CELEBRIDADE. Os personagens e suas atitudes eram discutidos como se fossem da vida real, recebendo censuras ou elogios. Imaginei então o peso da imagem televisiva e sua influência na maneira de pensar e agir das pessoas, nos comportamentos, na própria educação. Antigamente, quando uma pessoa era “celebridade”, tratávamo-na como detentora de fama, destaque, prestígio, realce, personalidade. A idéia limitava-se a distinguir méritos efetivos. Hoje, sem escrúpulos, já se define como “o resultado máximo que se consiga, numa sociedade que faz da competição uma vida de fetiche, onde não importa ser o melhor, mas parecer ser e ganhar”. Para vencer, alguém precisa ser, se mostrar, demonstrar, fazer com que o reconhecimento resida na exibição, na comprovação. O célebre de fato, muitas vezes, é meio chato. Não devia, até pela superioridade que detém. O falso célebre, esse é intolerável. Mente, engana, falseia, tira proveito. Vez por outra é pilhado, o que o afeta muito pouco, pois sua personalidade não alberga meios e sim objetivos. Para ele não importa ser ou ter sido. O relevante é ter visibilidade. Celebridade inclusive cobra certo grau de mundanidade, submissão às opiniões e avaliações, bem como idolatria a si próprio pelos outros. Por fim, o ex-célebre. Esses são difíceis de relacionamento. O reinado se foi, a majestade, não. Não abre mão da referência, nem da celebração. Há quem chame de “elite sem poder”. Duro final. Certo fica não haver regra para a celebridade. Ser célebre não é fácil. Precisa do reconhecimento e este se estende da verdade à mentira.


* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).


 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.


* Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail imprensa@portalmedico.org.br, acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.