Incorporação de práticas integrativas no SUS ignora prioridades na alocação de recursos, diz CFM em nota Imprimir
Ter, 13 de Março de 2018 17:05

As chamadas práticas integrativas e complementares – que receberam o incremento de mais dez modalidades pelo Ministério da Saúde nessa semana – "não apresentam resultados e eficácia comprovados cientificamente". A avaliação é do Conselho Federal de Medicina (CFM), expressa por meio de nota divulgada à imprensa e à sociedade nesta terça-feira (13).

Além da falta de comprovação científica (que torna a prescrição e o uso desses procedimentos proibidos aos médicos), a autarquia considera que a decisão de incorporação dessas práticas na rede pública ignora prioridades na alocação de recursos no SUS e cobra dos gestores medidas que otimizem a competência administrativa do sistema.

Leia abaixo a íntegra do documento ou clique aqui para acessá-lo.

Saiba mais:

Para CFM, práticas integrativas incorporadas ao SUS não têm fundamento científico