Rede dos Conselhos de Medicina
Selecione o Conselho que deseja acessar:
Artigos
Burnout: a síndrome de exaustão no trabalho
Qua, 12 de Abril de 2017 11:05

Mario Louzã*

 

A síndrome de burnout (do inglês, literalmente, “algo que queima até não sobrar nada”), também chamada de exaustão ou esgotamento, vem sendo cada vez mais reconhecida nas diversas profissões, sendo consequência do excesso ou sobrecarga de trabalho, embora não seja ainda reconhecida como doença  pela Organização Mundial da Saúde.

Como o próprio nome diz, a pessoa se sente literalmente exausta, esgotada física e psicologicamente, seja por causa do número de horas trabalhadas, seja pelo estresse provocado pelas condições de trabalho. Burnout provavelmente sempre existiu, basta lembrar das condições de trabalho dos operários durante a Revolução Industrial, no século XIX – as horas diárias de trabalho chegavam a uma média de 16, 18 horas, sem período estipulado de descanso. Ao longo do século XX, leis foram criadas para proteger o trabalhador e regrar a duração do dia de trabalho, os horários de descanso, os dias de folga e a utilização de equipamentos para reduzir o risco de acidentes.

Na atualidade, o uso crescente de recursos tecnológicos mudou novamente o modo de trabalhar; a aceleração da velocidade de comunicação e a integração global trouxeram novamente a demanda por muitas horas de trabalho, em geral sob grande pressão de desempenho. Nessas condições surge novamente a exaustão, caracterizada por desânimo, dificuldade de raciocínio, ansiedade, preocupação, irritabilidade, sensação de incapacidade ou inferioridade, alterações do sono, diminuição da motivação e da criatividade e aparecimento de transtornos mentais e doenças físicas.
Uma consequência frequente é o uso de drogas (álcool e tabaco, além de drogas ilícitas) como forma de alívio. É importante estar alerta a essa situação, que agravará ainda mais a condição física e mental do indivíduo. O mesmo pode ser dito da automedicação.

Além das condições adversas e estressantes de trabalho, algumas características da personalidade são consideradas importantes para o aparecimento da síndrome de exaustão. Pessoas muito competitivas, ambiciosas e com dificuldade para delegar, acabam absorvendo tudo para si, ou seja, tornam o trabalho sua única atividade, e têm maior chance de desenvolver exaustão. Por outro lado, pessoas inseguras e necessitadas de reconhecimento dos outros, com dificuldade de colocar limites e abrir mão de suas próprias necessidades, também estão vulneráveis ao burnout.em, e o que fazer para prevenir a síndrome de exaustão? A primeira e óbvia recomendação é o descanso físico e mental. O equilíbrio entre trabalho, atividades físicas e lazer, como o encontro com amigos, por exemplo, é o primeiro passo. Mudanças de atitudes, de expectativas e de hábitos de vida podem também auxiliar na prevenção.

Nos casos em que a síndrome de burnout já está instalada, recomenda-se buscar auxílio médico especializado, para avaliação do quadro e orientação quanto ao tratamento. Especialmente no caso das pessoas cujas características de personalidade as tornam mais propensas ao burnout, a psicoterapia é um complemento importante, pois o problema está muitas vezes “dentro” da pessoa e não tanto em suas condições de trabalho.

 

* Prof. dr. Mario Louzã é médico psiquiatra, formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Fez residência médica em psiquiatria geral no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clinicas da FMUSP. É especialista em psiquiatria geral pela Associação Brasileira de Psiquiatria. Fez doutoramento na Clínica Psiquiátrica da Universidade de Würzburg, na Alemanha, e pós-doutorado no Instituto Central de Saúde Mental em Mannheim, também na Alemanha. É médico assistente e coordenador do Programa de Esquizofrenia (PROJESQ) e do Programa de Déficit de Atenção e Hiperatividade (PRODATH) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP. É bacharel em filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.

 

 
    

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. , acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

 

 
Conflitos de interesses em pesquisas
Qua, 12 de Abril de 2017 11:05

Simônides Bacelar*


O interesse maior da ciência é conhecer e divulgar a verdade, e seus conhecimentos devem ser aplicados com ética. Interesses secundários que contrariem esses dogmas causam conflitos entre os interesses.

Em medicina, o interesse maior é beneficiar o doente. O ensino e o aprendizado, por exemplo, que envolvem professores, orientadores, preceptores e estudantes são de alta importância, mas não podem ser os interesses prioritários ou causar danos ao doente, mesmo com seu consentimento. Se uma experimentação lhe causar consequências graves em razão de procedimentos errôneos, não vai importar um termo de consentimento livre e esclarecido assinado pelo doente.

Vão ocorrer conflitos de interesses quando mais de um indivíduo depender de recursos escassos ou quando houver dissensões no mundo das ideias por motivo de diferenças de formações morais de cada um.

O termo “conflito(s) de interesse” é questionável, já que para haver conflito importa existir mais de um interesse. Assim, “conflito(s) de interesses” é expressão mais precisa e lógica, portanto, mais adequada a relatos científicos formais.
 
Tipos de conflitos de interesses

Podem ser verdadeiros, quando se apresentam como fatos ou potenciais, quando se vislumbram possibilidades de conflito. Constituem casos de conflitos de interesses:

  1.  interesse comercial ou financeiro como objetivo principal, ou favorecimentos indevidos por motivo de salários, pagamentos por consultorias, verba para a pesquisa, quando o autor tem ações da empresa financiadora da pesquisa, quando há interesse sobre a patente de inovações, com interesse pelos royalties ou pelos direitos autorais, quando há interesses por aquisição de benefícios como posteriores honorários por palestras, quando há interesse em licenças para participação em eventos científicos, bem como obtenção de passagens, estada e outras ofertas;
  2. autopromoção, quando o pesquisador deseja promoções, empregos, titulações de modo desleal;
  3. competição desleal com vista a desfavorecer oponentes competidores;
  4. publicidade inadequada, sobretudo com anúncios que implicam interesses comerciais com prioridade de lucro;
  5. procedimentos impostos ao doente sem reconhecimento ou comprovações científicas;
  6. interesse político, em casos de uso de conhecimentos científicos para favorecer com parcialidade um grupo partidário voltado a negócios particularizados e tendenciosos;
  7. interesse religioso, em usos indevidos de favorecimento parcializado de um grupo doutrinário não representativo das doutrinas religiosas voltadas ao bem comum;
  8. favorecimento tendencioso e pessoal, de amigos e pessoas da família;
  9. perseguição por concorrência: sabe-se que a competição sadia contempla com sabedoria também o favorecimento dos concorrentes, não sua destruição;
  10. favorecimento desleal de afiliações institucionais, políticas, religiosas: um trabalho científico pode sofrer dificuldades de publicação por ter sido realizado em determinada instituição ou ter mais facilidade pelo mesmo motivo;
  11. favorecimento desleal e enganoso de alguma tecnologia de pesquisa em relação a outras concorrentes;
  12. supervalorização da pesquisa pelo editor ou revisor em relação a seu grau de amizade com os autores;
  13. interesses acadêmicos por apego exagerado ou emotivo a uma teoria ou a um procedimento podem desvirtuar o julgamento do mérito de um trabalho científico. Um editor ou um revisor podem depreciar um trabalho que seja contrário aos fundamentos em que se baseou para construir a própria carreira.
     
    * Médico do Hospital Universitário de Brasília (UnB), coordenador da Comissão de Ética em Pesquisa - Faciplac-DF e membro da Academia de Medicina de Brasília.

     

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. , acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

 

 
Mercado de trabalho, Mais Médicos e Carreira de Estado
Sex, 31 de Março de 2017 10:00

Rogério Wolf de Aguiar*

 

Com aproximadamente 20 mil médicos ingressando no mercado de trabalho a cada ano (em torno de mil no Rio Grande do Sul), é muito positiva a iniciativa do governo em ampliar a presença de médicos brasileiros – especialmente os formados no país – no polêmico programa federal.

Nesses tempos de corte de recursos para a saúde, que afeta diretamente os hospitais e a geração de empregos no setor, o Mais Médicos é um novo mercado que se descortina. A remuneração, que a partir de janeiro/2017 irá passar para R$ 11,5 mil mensais, mais um bônus de R$ 2.750 e outras vantagens, se torna atraente, em especial aos jovens médicos.

Por enquanto, a realidade que o médico encontra ao buscar seu espaço não é das mais alentadoras. Em algumas regiões do país chega a ser preocupante, assustadora mesmo. São comuns os contratos precários ou mesmo acordos verbais, a venda de plantões e, em boa parte dos casos, remuneração aviltante, incompatível com a dimensão e a responsabilidade do seu trabalho.

Tudo isso não é de hoje. Tem origem na abertura desenfreada de escolas médicas, principalmente privadas. Política estimulada por governos pouco preocupados com a qualidade do ensino e da formação dos profissionais. Os números são eloquentes: desde o ano 2000 até agora, foram abertas 168 faculdades para um total de 271. Esse dado aponta claramente um projeto irresponsável de mercantilização cada vez mais acentuada do ensino médico.

A própria Medida Provisória 621, de 8 de julho de 2013, que posteriormente se tornou a Lei 12.781/2013, não ficou restrita à importação de profissionais para trabalhar no programa. A Lei avançou para reforçar o projeto de abrir cursos de medicina sem sustentabilidade garantida (áreas de estágio, residência médica qualificada, professores, bibliotecas, etc.).

Em julho do ano passado, o governo anunciou o resultado do primeiro edital para abertura de vagas de cursos de graduação de medicina em instituições privadas de ensino superior no âmbito do Mais Médicos. Nessa seleção foi autorizada a criação de 2.290 vagas em cursos de medicina em 36 municípios, quatro no Rio Grande do Sul. A meta dos idealizadores do programa – e que vai de encontro à luta das entidades médicas – é criar 11.447 novas vagas de cursos de graduação em medicina até 2018.

Infelizmente, o programa, que ao ser lançado tinha um escancarado objetivo eleitoral, não prevê abertura de novos leitos para desafogar as emergências, nem agilidade para que os pacientes possam realizar exames que não podem esperar e muito menos investimento para que o acesso a médicos especialistas seja facilitado.

O curioso é que o Mais Médicos, apesar de seu alto custo (em torno de R$ 7 bilhões em três anos) e de ter liberado o trabalho médico a intercambistas sem diploma revalidado, afrontando a legislação, pode ser o embrião para criação da Carreira de Estado no sistema público de saúde, proposta que defendemos há anos como forma de levar atendimento médico resolutivo e com boa estrutura aos municípios mais distantes e às aldeias indígenas.

Enfim, cabe agora ao governo olhar também para mais perto, para os grandes centros urbanos, nos quais milhões de pessoas sofrem, vítimas de uma assistência de saúde precária e, por vezes, desumana.

Nesse caos em que se transformou a saúde pública, nosso reconhecimento aos médicos, que, apesar de tudo, seguem fazendo a sua parte. São profissionais que superam as adversidades diárias e seus próprios limites nem sempre com o devido reconhecimento.

Por isso, em 18 de outubro, Dia do Médico, nosso abraço solidário e fraternal a todos os médicos que exercem a medicina com ética, dedicação e amor ao próximo.
 

* É 1º secretário do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (Cremers).

    
 

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. , acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

 

 
Infecção: sim ou não?
Sex, 31 de Março de 2017 10:00

Alfredo Guarischi*

A mais prestigiosa revista médica do mundo, o New England Journal of Medicine, recusa anualmente centenas de artigos de qualidade por total falta de espaço. A dra. Flavia Machado, do Departamento de Anestesia da USP, nos deu um presente de Natal em 2016. Seu artigo sobre os dilemas do trabalho do médico de CTI retrata uma realidade mundial.

Todos os dias, em todo o mundo, os médicos intensivistas têm de fazer escolhas. Quando dilemas técnicos e éticos se associam a problemas sociais, pobreza e desigualdade, é chocante.

Já vivi esse dilema.

A quem devo dar a última vaga existente: ao João, um jovem com traumatismo craniano que acaba de chegar à emergência, vindo transferido do terceiro hospital?; ao Manuel, o vovozinho que acaba de ser submetido a uma grande cirurgia que removeu metade do seu fígado?;  à Julinha, sim, aquela menininha de olhos amendoados e grandes bochechas, que precisa ser reinternada por mais uma crise de asma; ou obedecer às duas ordens judiciais expedidas para pacientes, não menos graves, que aguardam uma chance para viver. A pobreza e a desigualdade, no Brasil, são chocantes.

Alguém, no final, conseguirá essa última vaga.

O CTI é um local no qual, em geral, um quarto a um terço dos pacientes desenvolvem infecção grave (septicemia) na admissão ou nos dias subsequentes. A taxa de mortalidade relacionada à sepse gira em torno de 30%.

A infecção hospitalar é a maior ameaça à segurança dos pacientes, em todo o mundo.

No Rio de Janeiro, um estado falido, há no Instituto de Cardiologia do Estado uma grave denúncia de que estão ocorrendo óbitos decorrentes de infecção em número além do esperado.

Há diversos aspectos a serem considerados, mas a falta de infraestrutura facilita essa decorrência.

Na sepse, à medida que o comprometimento sistêmico avança, diminui a chance de o paciente sobreviver. Diagnóstico e tratamento precoces salvam vidas. Diagnósticos e tratamento tardios tornam-se ineficazes. Na sepse, como no infarto ou no acidente vascular cerebral (ou derrame), tempo é vida.

Para diminuir o número de pessoas que morrem com sepse é importante preveni-la e, uma vez presente, que o diagnóstico e o tratamento sejam feitos o mais rápido possível. É preciso reduzir o tempo entre o início dos sintomas e o primeiro atendimento médico; e também trabalhar com equipe multiprofissional de saúde para que o atendimento seja feito de forma coordenada e rápida. A lei determina que todo hospital deve ter uma Comissão de Infecção Hospitalar, e os dados devem ser disponibilizados, para dar transparência e aprimorar o atendimento.

Os médicos têm de proteger a vida. Quem faz denúncia leviana deve ser punido.

Médicos sérios que administram buscam o melhor para proteger o maior número possível de vidas. Sem transparência na análise da causa da mortalidade hospitalar não há medicina nem seriedade.

 

*Alfredo Guarischi, médico, cirurgião geral e oncológico, especialista em Fator Humano. E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .

 
    

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. , acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

 

 
A ética no reconhecimento
Sex, 17 de Março de 2017 11:01

José Hiran da Silva Gallo*

 

Todos os anos, assiste-se a uma profusão de homenagens a artistas, militares, políticos, empresários, estudantes, trabalhadores, donas de casa e esportistas, entre outras categorias. São homens e mulheres agraciados com esse tipo de reconhecimento por conta de uma série de ações que transformaram vidas, deram novo sentido ao ato de fazer bem ao próximo e desbravaram as fronteiras da arte e da ciência. Na maioria das vezes, essas honrarias não se limitam apenas a elogios públicos, mas incluem, também, entrega de placas, diplomas, medalhas e comendas.

Em síntese, essas condecorações são formas de homenagem concedidas por órgãos públicos a pessoas ou instituições que se destacaram em suas áreas de atuação, na maioria das vezes, em vida. Quando surgiu, na Idade Média, a entrega desse tipo de honraria tinha um significado bem distinto do que existe nos dias atuais. Naquele tempo, a comenda era um benefício concedido a integrantes do clero ou das forças militares que demonstravam valentia nas lutas e batalhas travadas. Era a constatação da coragem e da fidelidade aos interesses do Estado.

Além do título em si, o recebedor da comenda, medalha ou diploma ganhava também um prêmio, que poderia ser em dinheiro, joias ou mesmo a posse de uma grande área de terra. Não raro, esses homens e mulheres passavam a integrar a corte, a fazer parte da nobreza, usufruindo de suas regalias.

Contudo, com o passar do tempo, a comenda deixou de ter valor material agregado e passou a ser a expressão simbólica positiva decorrente de ações contínuas em defesa de princípios e valores. Assim, ela deixou de ser um passaporte para o conforto e a luxúria para assumir outro sentido. Tornou-se a atestação pública das capacidades de um indivíduo que sempre agiu de maneira correta, deixando um legado para a humanidade, em maior ou menor escala.

Mas a mudança não se limitou ao formato da honraria. Hoje são diferentes os compromissos exigidos dos homenageados. Nos séculos passados, eles eram obrigados a erguer suas espadas para combater inimigos do reino. O reconhecimento exigia uma atitude permanente ancorada na bravura e na fidelidade. Porém, se hoje o comendador não precisa mais entrar em campos de batalha, por outro lado, ele nunca deve se despir de compromissos prévios e posteriores à premiação. 

Pelo prestigio que uma comenda importa aos homenageados em determinados círculos sociais, políticos e profissionais, é fundamental que o comendador mantenha a postura que o alçou ao reconhecimento recebido ou que seja fonte de inspiração para as futuras gerações. 

Se foi a produção de conhecimento a razão da conquista de um título, o comendador deve continuar seu trabalho pela propagação do saber.  Caso o motivo da honraria esteja relacionada à qualidade da produção artística, o homenageado deve estimular que outros continuem a fazer arte. Sendo o motivo da premiação o compromisso com a defesa dos interesses de uma comunidade ou de uma categoria, espera-se que esse engajamento permaneça.  E assim sucessivamente.

Porém, independentemente do motivo da outorga da distinção, uma coisa é certa: todos os comendadores devem possuir uma trajetória ancorada na justiça e em valores éticos e morais. Impossível homenagear um político, um artista ou profissional que em determinados momentos de sua história não se portou como se esperava de alguém alçado à condição de exemplo.

Ofertar uma honraria a quem cometeu falhas notórias é um contrassenso. Assim, espera-se que as instituições que outorgam os títulos estejam também atentas às suas responsabilidades no momento da escolha dos futuros homenageados, os quais não podem ser premiados com base em vínculos de amizade ou apenas com foco em um aspecto de sua vida. A premiação deve resultar de uma análise ampla e profunda da história pessoal do indivíduo e do impacto de suas ações no coletivo. 

Num mundo onde todos almejam destaque pelos seus feitos, até como forma de buscar ganhos e dividendos posteriores, é importante ter atenção redobrada para que a outorga de uma comenda, de um título ou de uma menção ocorra apenas em situações onde os fatos positivos praticados por uma pessoa sejam inquestionáveis. Agir de forma diferente é colocar em cheque a lógica e a ética do reconhecimento, o que não faz bem para ninguém.

 

* É doutor em bioética e diretor-tesoureiro do Conselho Federal de Medicina (CFM).

     

* As opiniões, comentários e abordagens incluidas nos artigos publicados nesta seção são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, o entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 * Os textos para esta seção devem ser enviados para o e-mail Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. , acompanhados de uma foto em pose formal, breve currículo do autor com seus dados de contato. Os artigos devem conter de 3000 a 5000 caracteres com espaço e título com, no máximo, 60.

 

 
Mais Artigos...
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Página 2 de 159
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

© PORTAL MÉDICO 2010 - o site do Conselho Federal de Medicina -Todos os direitos reservados
SGAS 915 Lote 72 | CEP: 70390-150 | Brasí­lia-DF | FONE: (61) 3445 5900 | FAX: (61) 3346 0231| E-mail: cfm@portalmedico.org.br

FECHAR X